Dr. Saúde e Bem Estar

Portal sobre a vida

Author: sobrerelacionamentos

9 coisas que te impedem de mudar

Revista moi – 13 setembro, 2018CompartirFacebookTwitter

Sejamos honestos, mudar é difícil. E há duas razões principais por que nos custa tanto trabalho: a primeira é a ignorância, pois às vezes não nos damos conta de que temos que mudar. A segunda é a falta de vontade, sabemos que precisamos de um polido e encerado urgente, mas o plano não encontramos a motivação para levar-nos à oficina.

Mudar é doloroso, desconfortável e difícil, daí que o evitemos como uma reação instintiva. Mas acontece que a força de vontade tem a sua ciência e a arte de mudar hábitos, organizar, deixar de perder tempo e manter-se motivado, tem seu truque. Já seja que você quiser perder alguns quilos ou dominar o mundo (ou as duas coisas), o que se segue é um breve guia em que você pode encontrar todos os problemas que você pode enfrentar e como dar-lhes a volta com algumas táticas cientificamente comprovadas.

1. Tentamos mudar muito rápido, mas isso mais bem produz paralisia.
Solução: faça pequenas alterações. Se o seu objetivo é muito grande, divida-a em cachitos.

2. Estamos desapontados por nossos antigos fracassos.
Solução:dê a volta aos fracassos e véus como experiência e aprendizado. Determina em qual parte do processo você falhar e faça um plano para que não volte a acontecer.

3. Não conseguimos empatar nossos mudanças com nossos valores e princípios.
Solução: primeiro, esclarece quais são seus valores e princípios, de forma consciente, depois reestrutura as mudanças para que estejam de acordo com eles. Isso lhe dará paz interna.

4. É difícil avaliar objetivamente a nossa situação atual.
Solução: que alguém o faça por você. Se você precisa de saber se deve mudar algo em seu trabalho, pergunte a seu chefe. Em sua vida pessoal, fale com sua família ou amigos.

5. Acreditamos que o esforço não valerá a pena, então nem tentar
Solução: o medo do desconhecido é normal. Mas é tempo de perdê-lo. Obviamente, nem todas as alterações que você fizer vai valer a pena. Mas alguns sim. E com “alguns” é suficiente para pegar prática.

6. Não sabemos o que temos que fazer para conseguir a mudança que queremos
Solução: faça a sua tarefa, pesquisa e arma um plano antes de começar qualquer mudança. Aproxime-se de pessoas que tenham passado pela mesma situação que você e pedir-lhes conselho.

7. Não temos os recursos para mudar.
Solução: dê vontade, até que os tenhas, e ayúdate da criatividade.

8. Temos medo de uma recaída, uma vez que fizemos a mudança.
Solução:aceita o fato de que você vai voltar uma outra vez. Não é o fim do mundo! À medida que você avança duas caixas e move-se para trás, de todas as formas, você vai ganhar.

9. Não estamos convencidos de mudar desde o princípio.
Solução:procura alguém que tenha estado em uma situação parecida e veja como foi. Se você não é muito bom, o melhor entre as pilhas!

Você gostou desta nota? Califícala

1 Estrela2 Stars3 Stars4 Estrelas5 Stars (3 votos, média: 5.00 out of 5)
Loading…

Alimentos que você come mal

1 – 16

Levar para casa com ingredientes da melhor qualidade é apenas o início de uma dieta saudável; o passo seguinte consiste em prepará-los de forma que eles possam chegar a sua boca com a maior quantidade de nutrientes possível. Conheça 15 alimentos que pode estar consumindo de forma errada e como reparar o erro para benefício próprio e o de sua família.

2 – 16

Esqueça ferva o brócolis, cozinhá-lo no forno ou asarlo, qualquer uma destas formas de preparação danificam o seu conteúdo de vitaminas C, A, B e K, cálcio, ferro, fibra, antioxidantes e ácido fólico. É melhor lavá-lo com água fria (diretamente sob a torneira) e cozinhá-lo no vapor durante 3 ou 4 minutos, no máximo, já que se você passar de cozedura, se obscurece e perde seus nutrientes.

3 – 16

Ninguém rejeita as batatas fritas ou purê, embora esta forma, perdem certos nutrientes (exceto carboidratos); no entanto, se as cozinhas, com casca, deixar que arrefeçam e as incorpora a uma salada, conservam a sua fibra, proteína e vitamina C. Além disso, ao consumi-las à temperatura ambiente, o amido, que contêm é “mais resistente”, ou seja, se custa mais trabalho depois de passada a turbulência, o que reduz o risco de comê-las em excesso e a cair no excesso de peso.

4 – 16

Com 75 calorias, um ovo, lhe oferece 6 gramas de proteína, aminoácidos essenciais e vitamina D, mas tudo isso pode danificar quando cozinhas com muita gordura ou manteiga, e ao seu lado você coloca várias fatias de pão ou grandes pedaços de queijo. Uma alternativa mais saudável para consumir este alimento é hirviéndolo (o ovo cozido é pilar de várias dietas para perda de peso) ou prepará-lo estilo poché (água quente).

5 – 16

Embora a couve é fonte de vitamina C, esta contribuição é desperdiçada ao comprá-lo ralada, pois uma vez que o vegetal, transforma-se em finos cortes e armazenadas em sacos de plástico, reduz seu conteúdo vitamínico. É melhor comprar a couve em peças completas e rebanarla minutos antes de consumi-la. Para aproveitar os nutrientes ao máximo (também possui vitamina A e ácido ômega 3) deverá ser cozida no vapor.

6 – 16

Se falamos de fruta, é melhor comê-los, que beber. A laranja, por exemplo, perde fibra (presente em seus segmentos), quando consumido na forma de sucos industrializados, apresentação que fornece ao corpo demasiado açúcar. Além disso, a casca de frutas inteiras, como maçã ou pera, fortalece os teus dentes ao mordê-los e ajuda a digestão, já que seus componentes passam pelo trato intestinal quase intactos, como “vassoura” que varre e remove o que “não precisa”.

7 – 16

Cozinhe as verduras a vapor é o melhor, já que, com este método os seus nutrientes são preservados por completo. Se as hierves, use somente a água necessária para satisfazê-las, e faz com que o tempo de cozedura seja mínimo, pois as vitaminas hidrossolúveis, especialmente do grupo B e C) tendem a ser mais afetadas. Ao final, aproveite a água do cozimento para preparar sopas ou caldos super nutritivos!

8 – 16

Se acostuma cozinhar os legumes depois de tirá-las da lata, você comete grave erro! Enlatar alimentos é uma forma de preservar as suas vitaminas e minerais, deixando-os prontos para serem consumidos. Uma vez que tiver obtido os legumes do recipiente, basta aquecê-las para a temperatura desejada, não é necessário submeter a um processo de cozimento completo, caso contrário, alteras o seu sabor, textura e nutrientes.

9 – 16

Quando se cozinha em excesso, a massa adquirir uma consistência muito mole, além de que aumenta o seu índice glicêmico, isso significa que seu corpo pode absorver os hidratos de carbono que contém rapidamente. É melhor ser cozida “al dente” (macio por fora, firme por dentro), e combiná-lo com legumes, em vez de creme ou queijo, para obter um disco sem excesso de calorias, mas com um sabor excelente.

10 – 16

O “poder” antioxidante do licopeno que o tomate possui (substância que dá sua cor vermelha), protege o organismo contra câncer, doenças do coração e outras doenças. A maneira mais fácil de obter estes benefícios é cocinándolo; no entanto, você pode desfrutar do tomate em saladas e acompanhá-lo com azeite de oliva, que ajuda na absorção de outros nutrientes (vitaminas A, C e e, por exemplo).

11 – 16

Embora não vá para comê-los, a casca do melão deve estar completamente “limpo” antes de rebanarlo, pelo que se recomenda cepillarla para eliminar qualquer vestígio de sujeira e bactérias em sua casca, caso contrário, existe o risco de que estes microrganismos contaminem a superfície que você usa para cortar a fruta.

12 – 16

A carne vermelha é fonte importante de proteínas, ácido omega 3, vitamina B12, niacina, ferro e zinco, no entanto, também pode conter gorduras saturadas que, idealmente, devemos minimizar em uma dieta saudável para reduzir o risco de obesidade e doenças do coração. Escolha cortes de carne magra e retira qualquer vestígio de gordura visível antes de ser cozida.

13 – 16

Lavar o frango antes de cozinhá-lo eleva o risco de propagação da bactéria campylobacter em suas mãos, a roupa, a área de trabalho e os utensílios de cozinha através do funil de gotas de água. Por isso, não o lave, basta cozinhar perfeitamente cada peça para que os possíveis microrganismos que contém são destruídos através do calor antes de chegar ao seu prato.

14 – 16

Para além do “espírito” que lhe oferece seu conteúdo de cafeína, o café possui antioxidantes que protegem as células para que funcionem como deveriam, mas se o consumo diário de doces, leite integral (batida), xarope de baunilha, chocolate e outros ingredientes repletos de calorias, a bebida perde grande parte de seus benefícios e, inclusive, é capaz de acrescentar alguns centímetros à sua cintura. Cuidado!

15 – 16

Se você beber água somente para acabar com a sede, você está desperdiçando uma de suas grandes virtudes: ajuda a emagrecer. Além de tomar entre 8 a 10 copos de água ao longo do dia (de preferência antes das refeições para obter efeito de saciedade), lembre-se de incluir em sua dieta alimentos ricos em líquidos, como frutas e vegetais; conseguirá mantê-lo hidratado e controlar o seu peso.

16 – 16

A tortilha de milho é alimento de excelente qualidade, que proporciona carboidratos, cálcio, fibras, potássio e sódio. No entanto, a sua riqueza nutritiva desce se a acompanhá-lo, de gorduras ou irritantes em excesso, pois se transforma em comida super calórica que, além disso, você pode danificar o seu estômago. Como você verá, uma dieta nutritiva exige alimentos de qualidade, mas também dicas para cozinhá-los de forma saudável.

Alimentos que te fazem reter líquidos

O inchaço nas pernas e tornozelos é normal se passar grande parte do tempo sentada ou de pé. Se o seu coração, fígado ou rins trabalham de forma adequada, a acumulação excessiva de líquidos não deve ser motivo de preocupação, pois seu organismo rejeitar-te-á naturalmente. Mas se você quiser ajudá-lo, limita o consumo destes 8 alimentos que te fazem reter líquidos.


Alimentos que causam a retenção de líquidos


Causas da retenção de líquidos


Problemas circulatórios (insuficiência venosa), gravidez, insuficiência cardíaca, desnutrição por falta de proteínas, doenças renais ou hepáticas são as causas mais comuns de edema ou retenção de líquidos: aumento do volume do líquido intersticial (espaços que rodeiam as células).


Seus sintomas mais frequentes são: cansaço, aumento da circunferência abdominal, inchaço nas pernas e tornozelos e bolsas dos olhos!


Pessoas que as sofrem, têm maior risco de edema que as pessoas saudáveis, e são os que mais devem ter cuidado com a sua dieta e com o consumo destes 8 alimentos que te fazem reter líquidos.


Adeus à retenção excessiva de líquidos)


Cecilia Montagna, nutricionista e nutricionista da Fundação Espanhola do Coração, recomenda-se, como primeira medida para eliminar a retenção de líquidos, um tratamento dietético baixo em sódio. O consumo de sal em excesso faz com que o organismo não seja capaz de remover adequadamente suas toxinas e líquidos. As principais fontes de sódio são:



  1. Sal de mesa. Quanto mais sal consumas, mais água retendrás. Evite usá-la ao cozinhar e sustitúyela por ervas, especiarias, limão, vinagre e óleos aromatizados com alho ou orégano.

  2. Enchidos. Presuntos, salsichas, salame ou patês e tudo o que seja defumado são alimentos que causam a retenção de líquidos devido a seu alto teor de sal e conservantes artificiais.

  3. Nozes e azeitonas. Sobre todos aqueles frutos secos e processados os que lhes adicionam sal, como as nozes, pistaches ou amêndoas.

  4. O álcool. O álcool se desidrata, por isso, quando você bebe, o seu organismo fica em estado de alerta para “guardar” toda a água que puder.

  5. Pães e cereais industriais. São “armadilhas de sal”, como refere o Dr. Salomão Jakubowicz, médico pesquisador em Endocrinologia, pois a contêm, sem que nos percatemos de fazer isso.

  6. Água mineral. Algumas delas têm alto teor de sódio. Verifica-se que em sua etiqueta não passem de 50 mg/litro.

  7. Molhos e alimentos industriais. Evita a mostarda, cátsup, molho de soja, maionese, os caldos de galinha concentrados, as sopas e alimentos pré-cozinhados e as refeições rápidas e prontas.

  8. Peixes defumados, enlatados ou salgados (como o bacalhau). À exceção de um deles, todos os peixes frescos e congelados te ajudam a eliminar a retenção de líquidos.

Então, o que comer para não reter líquidos?


Considera-se que a maior parte da ingestão de sódio acontece a partir de alimentos processados. Por isso, é muito importante ler os rótulos dos produtos que você compra e escolha os que menos contenham sódio (aqui, dicas para que você saiba como entender os rótulos dos alimentos).



  • Preferir alimentos naturais (frutas, verduras, legumes, carnes e peixes frescos).

  • Reduz o consumo de gorduras saturadas (favorecem a inflamação) e aumenta o de gorduras ricas em Ômega 3, como peixes, azeite, frutos secos sem sal e abacate.

  • Beba 2 litros de água ao dia para renovar as suas reservas de líquido corporal.

Além de evitar, na medida do possível, estes 8 alimentos que te fazem reter líquidos, realiza atividade física aeróbica diariamente e o inchaço nas pernas e tornozelos não virá!

Os idosos são os maiores consumidores de drogas

Proporcionalmente, as pessoas da terceira idade são, juntamente com os jovens, que mais estimulantes e medicamentos consumidos, porque os problemas psicológicos enfrentados.


Os idosos são os maiores consumidores de drogas


Envelhecimento e polifarmacia


Com o envelhecimento, as pessoas enfrentam mais problemas de saúde, principalmente com doenças crônicas como hipertensão, diabetes e câncer, entre outras, as quais exigem tratamento contínuo.


De acordo com a Sociedade Americana de Geriatria, os idosos são o grupo populacional que consome 34% de todas as prescrições médicas e cerca de 40% de medicamentos de venda livre.


Como essas condições costumam ser apresentados simultaneamente, recorre-se à polifarmacia, ou seja, o consumo de vários medicamentos por parte de um único paciente, o que pode levar a aumento de interações indesejáveis ou perigosas entre fármacos.


Estes riscos são adicionados, possíveis erros de prescrição indevida, automedicação e problemas por mudanças no organismo, até mesmo psicológicos, dos quais falaremos em seguida.


Correspondência entre juventude e idade adulta


Ao contrário do que comumente se pensa, os especialistas em saúde mental é voltada para a idéia de que a adolescência e a velhice têm várias semelhanças psicológicas e, como resultado, compartilham problemas comuns, como a incompreensão e o uso de drogas.


Psicólogos e geriatras (médicos especializados em pessoas da terceira idade) coincidem em assinalar que tanto os jovens como os adultos vivem conflitos de forma notável, não só por lacunas em são paulo ou mudanças físicas, mas que experimentam as fricções produzidas pelo confronto com o setor da sociedade denominado “produtivo”.


De acordo com especialistas argentinos, cuja experiência pode se espalhar para o contexto latino-americano, este conflito desencadeia problemas que é possível agrupar em seis pontos de correspondência no comportamento de jovens e adultos:



  • Ambos os grupos vivem períodos conflituosos, porque seu corpo e mente encontram-se em processo de mudança.

  • Adolescentes e idosos sofrem de depressão e preocupações constantes, que os transformam em seres retraídos. Os primeiros são os que consomem mais estimulantes, enquanto que a população da terceira idade tem a medalha de ouro, se falamos de medicamentos.

  • Além disso, são os grupos com mais alto índice de desemprego.

  • Se querem casar, os dois tropeçam na geral com a desaprovação de seus familiares.

  • As pressões que os tornam obsessivos em relação à dimensão do tempo.

  • Idosos e jovens tentam aliviar seus problemas, recorrendo ao suicídio. Os primeiros levam a dianteira, pois a taxa de pessoas que cumprem o objetivo é mais alta do que em qualquer outra fase da vida.

Isto configura, sem dúvida, o sintoma de uma identidade problemática, a que há que acrescentar a falta de interesse de muitos psicólogos e psiquiatras para os temas da velhice, pois são escassos os quadros treinados para o atendimento da terceira idade. Deste modo, mesmo as áreas de saúde mental contribuem para a negação da terceira idade.


Cabe refletir sobre esta atitude social, infelizmente, muito enraizada, que se expressa da velhice em termos de “material que se usa, gasta e se tira”, pois, finalmente, refere-se a uma fase da vida de todo ser humano.

As dúvidas mais procuradas sobre clareamento dental

O clareamento dental é uma tendência em crescimento. O notamos em nossos pacientes, pois as consultas, dúvidas e solicitação de tratamentos relacionados são cada vez mais numerosos. Mas também é algo que pode ser verificado em pesquisas realizadas na Internet.


Os usuários costumam compartilhar as mesmas dúvidas sobre o clareamento dental, o que faz com que essas pesquisas são muito recorrentes. O problema da Rede é que nem sempre se encontram meios confiáveis que respondam de forma adequada a essas consultas.


Por esse motivo, a partir de uma Clínica Odontológica Irene Morais, cremos recomendável abordar as buscas mais procuradas sobre clareamento dental e responder diretamente, a partir de nossa experiência como dentistas profissionais.


Quais os tipos de clareamento dental existem?


Entre as dúvidas mais procuradas sobre clareamento dental encontramos, obviamente, a consulta sobre quais os tipos de clareamento dental existem.


Na verdade, não há um só tratamento de clareamento.


Na Clínica Dentária Irene Morais recomendamos o clareamento imediato ZOOM. Trata-Se de uma solução inovadora que, em apenas 60 minutos, apresenta um resultado de clareamento imediato e satisfatório.


O clareamento dos dentes oferece muito mais opções, como a utilização de facetas dentárias ou o ácido hialurônico para estética. Em qualquer caso, nós sempre privilegiamos um atendimento personalizado com os pacientes, para adequar o melhor tratamento com as necessidades e objetivos individuais.


Quais os tipos de clareamento dental caseiro existem?


É lógico que os pacientes procurem tratamentos de clareamento caseiro como o Whitemax, mas devemos lembrar que, neste caso, falamos de uma alteração que afeta a estética dentária, pelo que é imprescindível contar com a tecnologia e recursos que só os dentistas profissionais podemos oferecer.


Ao mesmo tempo, também é recomendável uma supervisão de especialistas com experiência, para confirmar se o tratamento é aplicado corretamente e os resultados são os desejados.


O que se pode fazer de forma pessoal e, além disso, é uma recomendação que sempre fazemos em nossos pacientes, é a adoção de medidas na rotina diária ou modificar hábitos relacionados com a alimentação, o consumo de álcool, tabaco ou café e, é claro, manter uma correcta higiene oral.


Além disso, a partir de uma Clínica Odontológica Irene Morais também oferecemos tratamentos de clareamento dental combinado. Nestes casos, complementamos o tratamento oferecido a partir de nossas instalações com moldeiras de clareamento que os pacientes podem usar em casa, de acordo com as indicações oferecidas pelo dentista.


Outras pesquisas sobre clareamento dental


O branqueamento dentário é um tratamento cada vez mais atraente para os mais pacientes, e por isso as pesquisas sobre o mesmo também são mais variadas.


Entre as que também são muito frequentes, encontramos a dúvida se é um processo doloroso. Obviamente não, pois é um tratamento estético que não afeta a própria estrutura dos dentes. É mais, também não tem consequências sobre a saúde oral, algo que também é muito usado por pacientes.


O preço de um clareamento dental é também procurado com frequência. Neste caso, há que dizer que é um tratamento totalmente personalizado para cada paciente.


Portanto, se procura uma solução eficaz e duradoura no tempo, de acordo com os objetivos e as possibilidades pessoais, o que representa um custo do tratamento também diferente, de acordo com essas variáveis.


Por último, também se realizam muitas pesquisas sobre quando é recomendado um clareamento dental.


Curiosamente acredita-se que este problema estético é uma preocupação mais própria dos jovens, quando na realidade a maioria dos pacientes tem entre 30 e 50 anos, pois é a partir desta idade, quando, por hábitos comuns durante a vida do paciente, foi perdendo a cor natural de seus dentes e você deseja obter um clareamento dental apropriado.


 

8 estranhas formas em que as bactérias interferem em seus relacionamentos,

Harmonia – 25 de janeiro, 2017CompartirFacebookTwitter

Lamentamos dizer que, por mais flores e chocolates, que vai comprar para aquela pessoa amada, são as bactérias do nosso corpo que desempenham um papel importante no amor e nas relações de casal. Embora, claro, uns bonitos detalhes podem ajudá-lo a conquistar quem você gosta.

As bactérias que intervêm nas relações que mantemos com os outros são as que ajudam a formar o nosso sistema imunológico. Quer saber mais? Conheça estas oito formas em que as bactérias que influenciam a sua sorte no amor.

1. Os casais que se beijam tem mais bactérias em comum em suas línguas que aqueles que não o fazem. O interessante disso é que, talvez, o que nos atrai de uma boca, mais do que a sua técnica ao beijar, pode ser a compatibilidade de seu microbioma oral ou o ecossistema de bactérias que vivem nesta cavidade. Uma linda boca tem ricas bactérias?

2. Em um famoso estúdio com “camisetas suadas usadas por homens (sem desodorante), um grupo de pesquisadores notou que os odores que se formam nas t-shirts são produzidos em grande medida por bactérias específicas de cada pessoa. De alguma forma, o seu cheiro, a sua própria fragrância natural é determinada por sua composição bacteriana (a qual varia a partir de vários fatores como a alimentação, o estresse, o uso de antibióticos, etc.). A mesma pesquisa mostrou que as mulheres estão “cheirando” atraídas para as pessoas com um complexo de histocompatibilidade diferente, isso provavelmente como uma resposta biológica a um perfil divergente pode compensar algumas carências pessoais e oferecer um melhor sistema imunológico para seus filhos. Muitas das vezes em que pensamos que nos atrai de uma pessoa pela sua graça, inteligência ou aparência, na realidade, o que nos atrai é o seu sistema imunológico (especialmente no caso das mulheres).

3. Um grupo de pesquisadores holandeses fez um experimento em que vários casais heterossexuais se deram um beijo e, em seguida, foi-lhes pedido que fizessem um iogurte probiótico (controle), para depois dar outro beijo. Este procedimento permitiu que se calculara o número de bactérias que se transferem em um beijo de 10 segundos: 80 milhões.

4. As bolhas do espumante que você pode fazer com o seu parceiro, este fim-de-semana são uma consequência das bactérias que crescem na segunda fermentação e afetam a persistência e o volume dessas bolhas que são o símbolo da felicidade.

5. Um estudo revelou que as bactérias também gostam de chocolate. De fato, alguns dos benefícios de comer chocolate provém de que as bactérias são capazes de acabar com isso e produzir moléculas que ajudam a diminuir o estresse sobre os vasos sanguíneos.

6. Em tempos recentes foi dado a conhecer informações sobre o vaginoma, a configuração bacteriana da vagina (um bebê ao nascer, por exemplo, atravessa o canal vaginal, e de lá toma a microbiota que constituem o seu sistema imunitário). Menos conhecido é que os homens também têm algumas bactérias no sêmen. Um nível muito alto de bactérias pode gerar esperma estéril.

7. Uma pesquisa de 2015 achou que os casais de macacos babuínos que mais se alisam e acariciam têm os microbiomas mais semelhantes entre si. Isto foi medido através das fezes, o que talvez não seja uma forma muito sexy de descobrir se você tem química com seu par.

8. O sexo pode ser bom para as bactérias: diversos estudos mostram que a composição da microbiota é afetada severamente por estresse. Isto significa que se submeter ao estresse gera um aumento na população de bactérias associadas com a inflamação. O sexo e a meditação são duas formas que a ciência descobriu que conseguem combater o stress. Assim lá você tem: um pouco de bom sexo pode contribuir para ter uma melhor digestão e um melhor sistema imune por bactérias. Por sua vez, as bactérias podem ajudá-lo a ter um bom sexo, pois, um outro estudo mostrou que as mulheres que tomaram o iogurte probiótico tiveram melhoras em seu estado de ânimo, sugerindo que certas cepas bacteriales podem contribuir no combate a depressão. Um dos efeitos colaterais mais importantes dos antidepressivos é a baixa de libido, e geralmente a depressão não produz muito erotismo. Assim que você pode recorrer, de alguma maneira, um afrodisíaco probiótico.

Se quiser melhorar a qualidade e diversidade de seus bactérias lembre-se de manter uma alimentação saudável que inclua o consumo de iogurte com probióticos. Além disso, se quiser continuar a melhorar a sua sorte no amor, evite estes 10 hábitos que se tornam menos atraente para as pessoas.

Fonte

Ubiome

Você gostou desta nota? Califícala

1 Estrela2 Stars3 Stars4 Estrelas5 Stars (3 votos, média: 5.00 out of 5)
Loading…

Alimentos ricos em potássio para incluir em sua dieta

Domingo, 22 de maio de 2011, 09:02 am, última atualização.Potássio, essencial para a vida

Presente na natureza e em todo organismo animal e vegetal, o potássio é o terceiro mineral mais abundante no nosso corpo, participando da reação dos nervos, assim como no trabalho e na manutenção saudável dos músculos.

Sobre seus múltiplos benefícios e utilidade para o homem, a Estudante Maria Guadalupe Solís Díaz, presidente do Colégio Mexicano de Nutriólogos, A. C., com sede na Cidade do México, comenta: “Este item está intimamente relacionado com o sódio e o cloro, desempenhando relevante papel na maioria das ações vitais; também regula o teor de água nas células e o seu movimento, impedindo a fuga de líquidos; mantém o equilíbrio ácido-base e, juntamente com o sódio, regula a quantidade e distribuição de fluidos no organismo”.

Além disso, intervém em “a construção das proteínas e aumenta a energia neuromuscular; com o cálcio e magnésio, ajuda a normalizar as funções celulares —especialmente a excitabilidade excessiva do coração, sistema nervoso e músculos. É indispensável para o movimento do miocárdio e ativa os sistemas enzimáticos”.

Suficiente, mais não inesgotável

Existem diversas formas de provocar diminuição de potássio no organismo, como explica a nutrióloga Solís Díaz: “aqueles Que consomem grandes quantidades de café, álcool ou alimentos salgados, impedem a sua correta assimilação, além de que se perde ao se apresentar vômito, diarreia, abuso de laxantes e diuréticos, portanto recomenda-se que, no exercício assegurem o seu nível, já que também através do suor se detecta baixa considerável do mineral, cujos sinais são rigidez ou fraqueza muscular, paralisia, distensão do estômago, a falta de força no intestino e vesícula biliar, constipação, dor abdominal, intensa fadiga, manifestações de insuficiência cardíaca tais como baixa pressão arterial e irregularidade do pulso (batimentos cardíacos irregulares), além de edema em várias partes do corpo.

“O desequilíbrio entre os níveis de sódio e potássio é importante causa de hipertensão (pressão arterial elevada); por sua vez, ao participar do controle e regulação de água no organismo desempenha papel determinante nos sistemas de fluidos humanos (como secreções, suor e urina), e auxilia nas funções nervosas; também reforça a atividade dos rins na eliminação de toxinas, mas você deve ter cuidado, pois quando eles não trabalham adequadamente pode resultar acúmulo do nutriente, gerando perturbação do ritmo cardíaco. Por sua vez, é básico para o armazenamento de hidratos de carbono, e na sua posterior conversão em energia, e ajuda a manter a pressão arterial normal”.

Um por todos

O potássio encontra-se igualmente na dieta habitual do ser humano (que fornece a quantidade suficiente, de 2 a 4 gramas por dia), que em plantas e vegetais. A este respeito, a Estudante Ma. Guadalupe Solís esclarece: “Alimentos ricos em potássio são verduras e frutas frescas (banana, principalmente), leguminosas (lentilha, grão de bico, feijão), fermento e frutos secos, bem como café, cacau, carne, pão e leite, seguindo a ‘regra de ouro’ de não consumi-los em excesso”.

Por outro lado, a especialista, que conhece a fundo as propriedades do potássio, observa: “Juntamente com o nitrogênio e o fósforo, o potássio é um dos macronutrientes essenciais para a sobrevivência e crescimento das plantas, pois sua função primária consiste em manter a pressão osmótica e o tamanho da célula, contribuindo desta forma na fotossíntese e produção de energia, bem como a abertura de estômatos e contribuição de dióxido de carbono, bem como a translocação de nutrientes; por tal motivo é necessário em proporções relativamente elevadas para o seu desenvolvimento, saúde do solo e nutrição animal.

“As consequências do baixo nível de potássio nas espécies vegetais são mostrados os seguintes sintomas: restrição do crescimento, redução do florescimento e/ou produto colhido; por sua vez, em caso contrário, ou seja, quando se registam elevadas marcas de potássio solúvel em água, podem ocorrer danos às sementes em germinação, além de que inibe a toma de outros minerais e reduz a qualidade e quantidade do cultivo”.

No aspecto químico, a empresa especializada conclui: “O cloreto de potássio é usada em misturas de fertilizantes e como material base para a elaboração de diversos compostos, como inseticidas e microbicidas, na forma de hidróxido é usada na fabricação de sabonetes líquidos e flexíveis para a indústria e consumo humano, sendo, além disso, matéria-prima na manufatura de vidro; a forma de nitrato aproveita-se na criação de fósforos, fogos de artifício, isto é, foguetes e explosivos caseiros) e produtos afins que o requerem, como agente oxidante”.

Alimentos que causam refluxo gastroesofágico

Terça-feira 11 de abril de 2017, 05:08 pm, última atualização.Causas-Refluxo-Gastroesofagico

Limitar o consumo de chocolates, queijos muito fermentados, refrigerantes, bebidas com cafeína e álcool, reduz as chances de desenvolver o chato do refluxo gastroesofágico.


A porção do tubo digestivo que comunica a garganta (faringe), com o estômago, o esôfago; ligeiramente acima da união de ambos existe uma banda muscular chamada esfíncter esofágico inferior. Se o esôfago está em repouso, o músculo em forma de anel se contrai para impedir que os alimentos e o ácido do estômago volta para a boca. No entanto, quando o esfíncter não se fecha adequadamente, apresenta refluxo gastroesofágico, cujo sintoma mais evidente é a sensação de queimação ou dor no peito, e pode estender-se para o pescoço ou garganta, além de causar inchaço e diversas lesões mais.


Qualquer pessoa, até mesmo bebês ou crianças, pode sofrer este tipo de refluxo ocasionalmente; não obstante, quando os episódios aparecem mais de duas vezes por semana, é possível que tenha a doença do refluxo gastroesofágico (DRGE), a mesma que, se não tratada adequadamente, costuma levar a problemas de saúde mais sérios.


Para muitas pessoas, felizmente, os sintomas melhoram quando colocam em prática diversas medidas, sobretudo, relacionadas com a sua dieta habitual, e a forma em que a consomem.


Cuidar da alimentação é muito importante para ter uma boa saúde e, no caso de DRGE, esta prática adquire maior relevância, já que se a pessoa digere bem a comida, reduz as probabilidades de sofrer moléstias decorrentes da doença.


Particularmente, existem produtos que favorecem o refluxo porque afetam (enfraquecer) o funcionamento do esfíncter ou bem, devido a que estimulam fortemente a produção de ácido clorídrico estomacal (indispensável para que se leve a cabo a fragmentação química do alimento, assim como a sua digestão).


Apesar de que geralmente constituem deliciosos, muitos podem se tornar inimigos da saúde digestiva:



  • Bebidas alcoólicas. O álcool reduz a pressão no esfíncter esofágico inferior, permitindo que você relaxe e abra, o que provoca o refluxo. Além disso, apesar de não aumentam a acidez gástrica, destruindo a barreira que protege o estômago, gerando efeitos semelhantes. Mais ainda, quando as bebidas alcoólicas são consumidas em jejum, os riscos de refluxo aumenta.

  • Refrigerantes de cola. São muito ácidos e contêm água carbonatada que dilata o estômago (isso aumenta a pressão sobre este órgão), o que favorece o refluxo gástrico e a sensação de distensão abdominal.

  • Lácteos. Os derivados de leite inteira costumam ser de difícil digestão, assim como os queijos fortes ou muito fermentados, por exemplo, o Roquefort.

  • Café, chá e bebidas energéticas. Por possuir cafeína destroem a barreira gástrica, de modo que quebram o equilíbrio que esta guarda com a geração de sucos digestivos. Em consequência, a acidez afeta o estômago, embora se encontre em níveis normais. Além disso, favorecem o relaxamento do esfíncter esofágico.

  • Chocolate. Ao tratar-se de um alimento gorduroso, sua digestão requer muita geração de ácidos gástricos, sem esquecer que, por conter cafeína, destrói a barreira gástrica.

  • Alho e cebola. Aumentam a sensação de queimação no estômago.

  • Tomate. Mas é indispensável na elaboração de alguns molhos, purês e sucos, tem elevado nível de acidez.

  • Alimentos fritos. Por seu método de elaboração, contêm maior quantidade de gordura que os outros pratos e, portanto, o estômago deve aumentar a secreção de ácidos gástricos para alcançar sua fragmentação química.

Vale a pena notar que aquelas medidas que reduzam a pressão intra-abdominal, como perder peso, não usar roupas apertadas na cintura, nem praticar exercício abdominal intensa, podem melhorar efetivamente os sintomas de DRGE. Paralelamente, é recomendável fazer refeições em pequenas porções, o que reduz a tensão no esfíncter esofágico interior, ajudando a evitar que o ácido volte para o esôfago. Mastigar lentamente e não se deitar logo depois de comer, também são hábitos favoráveis.


Outra dica é relaxar depois de ingerir os alimentos, uma vez que, quando uma pessoa está sob estresse, a digestão costuma ser mais lenta.


Lembre-se que este problema de saúde reside na falha do esfíncter do estômago, pelo que o seu tratamento médico não se reduz às mudanças alimentares que aqui sugerimos.

7 dicas para levar a custa de janeiro

Octavio Novelo Segura – 4 janeiro, 2017CompartirFacebookTwitter

Agora que termina a época de maior despesa do ano (Natal), janeiro foi o mês do optimismo, onde todos nós nos propomos a mudar, e este ano, se perder peso, parar de fumar e economizar… “agora sim, este ano a poupar”

Siga estas dicas:

É realista e enfrenta a situação

O que já passou não se pode mudar, entender onde você está e faça uma lista de metas que pretende alcançar no curto, médio e longo prazo. Você não pode correr uma maratona, se você nunca correu uma corrida de 5 quilômetros, a poupança é igual, de não querer conseguir comprar uma casa de milhões de pesos se você nunca foi capaz de lhe pagar umas férias de contado em lugar crédito ou meses, sem juros.

A poupança é um hábito que deve comprar, treinar e repetir para alcançar cada vez objectivos mais ambiciosos e distantes.

O que não se mede não se pode melhorar

Como você pode saber se está melhorando o seu desempenho ao rodar? Com a poupança é igual, se não tiver uma ferramenta para medir o quanto mais ou quanto menos ahorraste neste mês contra mês passado não pode ter uma base para saber se você está melhor ou pior.

Etiqueta e separa o dinheiro

Se a sua ideia de poupar é guardar o que te sobra… se é que te sobra no fim do mês, eu tenho más notícias, isso não é energia e é muito provável que, assim como te sobrou um mês, no mês seguinte ao tê-lo no disponível da sua conta o gasto e terminar sem esse excesso.

Remove a famosa desculpa: “Não poupar porque não me atinge”

O dinheiro nas mãos nos queima, incorpora a poupança em seu padrão de gastos e verá como esta fórmula é infalível e poupará mais de uma vez por semana amarrado aos seus hábitos de consumo.

Agora encoste-se com o parceiro, família ou amigos

Quando verbalizamos nossos objetivos, somos mais propensos a cumpri-las, por que? porque não gostamos de ficar como faladores, eu não me rajo é uma frase muito mexicana. Informe seu parceiro, família ou amigos, quais objetivos deseja atingir este 2017 e eles serão um fator a mais para não te deixar desistir.

Documéntate no tópico

Existem muitos blogs de finanças pessoais, o blog de Zaveapp publicar dicas sobre diversos temas como economia, crédito, investimentos e seguros em linguagem simples, registe-se e torna as finanças pessoais parte de seus temas de conversa com amigos e familiares, você vai ver como, pouco a pouco você vai se sentir mais capacitado no assunto.

Agora encoste-se na tecnologia para isso

Existem um sem número de ferramentas gratuitas e pagas na internet e em formato de aplicativos móveis para ter um melhor controle de suas finanças pessoais e poupança, Zaveapp é uma opção que, de uma maneira rápida e divertida irá ajudá-lo a começar a economizar a partir de seu telefone inteligente com algo parecido a um cochinito em seu celular.

Você gostou desta nota? Califícala

1 Estrela2 Stars3 Stars4 Estrelas5 Stars (3 votos, média: 3.67 out of 5)
Loading…

Alimentos que causam azia

1 – 15

Todo alimento estimula a secreção de ácido clorídrico no estômago, pois graças à ação desse composto é possível a sua fragmentação química e digestão.

2 – 15

Não obstante, alguns produtos podem causar desconforto digestivo devido a que elevam a acidez, aumentam a produção de sucos gástricos ou prejudicam a barreira protetora do estômago. Vejamos abaixo os mais comuns.

3 – 15

Os refrigerantes de cola, altamente consumidos no México, são muito ácidos e contêm componentes que destroem a barreira gástrica. Além disso, possuem água carbonatada, que dilata o estômago e aumenta a pressão sobre ele, favorecendo o refluxo (passagem do conteúdo gástrico para o esôfago e garganta).

4 – 15

As frutas cítricas, como limão, lima, laranja, tangerina e toranja, possuem grande quantidade de vitamina C, que fortalece as defesas do organismo e intervém na formação dos tecidos; contudo, esse nutriente aumenta a acidez gástrica.

5 – 15

O vinagre, um produto que em sua maioria é obtido a partir da fermentação do vinho e da maçã, é usado em conservas, molhos e salmoura. Deve o seu sabor peculiar à presença de ácido acético, o qual, por si só, aumenta o nível de acidez do estômago.

6 – 15

O tomate, por sua vez, é um fruto originário do continente americano, que se adaptou muito bem às diferentes tradições culinárias. Este produto é utilizado na elaboração de molhos, purês e sucos, e o seu nível de acidez também é considerável.

7 – 15

O chile é um dos ingredientes distintivos da comida mexicana. Suas qualidades como tempero, são inegáveis, mas também os seus efeitos no estômago ao ser consumidas em grandes quantidades: estimula a produção de ácidos gástricos e irrita a barreira protetora do estômago.

8 – 15

O sabor do chocolate é um dos mais bem-vindos e aceitos em todo o mundo, mas há que comê-lo com moderação. É um alimento gorduroso, por isso, sua digestão requer maior geração de ácidos gástricos, sem esquecer que contém cafeína, que destrói a barreira gástrica.

9 – 15

Por seu método de elaboração, os alimentos fritos contêm maior quantidade de gordura que os outros pratos e, portanto, o estômago deve aumentar a secreção de ácidos gástricos para alcançar sua fragmentação química.

10 – 15

As castanhas são um fruto seco que se obtém do nogueira, e distinguem-se, entre outras qualidades, por seu importante conteúdo de gorduras. Tal é a razão por que estimulam a produção de ácido clorídrico.

11 – 15

A carne, e, em geral, os alimentos ricos em proteínas (ovo, leguminosas, derivados de leite, carnes frias) requerem uma quantidade significativa de ácidos gástricos para que tais nutrientes possam digerirse, independentemente de se contêm muita gordura ou não.

12 – 15

As bebidas alcoólicas não aumentam a acidez gástrica, mas destroem a barreira que protege o estômago, gerando efeitos semelhantes. Além disso, favorecem o relaxamento do esfíncter, que fecha a entrada para o estômago, causando refluxo.

13 – 15

O café e as bebidas que têm cafeína (chá, refrigerantes, energéticos) destroem a barreira gástrica, de modo que quebram o equilíbrio que esta guarda com a geração de sucos digestivos. Em consequência, a acidez afeta o estômago, embora se encontre em níveis normais.

14 – 15

Os alimentos que abusam de especiarias e condimentos, comuns na comida mexicana, irritam a mucosa gástrica e eliminam a barreira protetora do estômago. Isso não significa que devam retirar-se da dieta, só que não se deve abusar deles.

15 – 15

A azia pode ser evitado com uma dieta variada e consumo moderado de alimentos, como os já mencionados. Também, aqueles que sofrem de refluxo se beneficiar com essas medidas, porém, não devem esquecer que o problema reside em falhas do esfíncter do estômago, pelo que o seu tratamento médico não envolve apenas mudanças alimentares.

Alcachofra na dieta de pacientes com diabetes

Quarta-feira 05 de abril de 2017, 04:51 pm, última atualização.Alcachofra

Apreciada e reconhecida como um alimento ideal para pessoas de qualquer idade, a alcachofra é rica em vitaminas, minerais e fibras, além de que é de grande utilidade na dieta de pessoas com excesso de peso, colesterol alto e diabetes, pois ajuda a controlar os níveis de açúcar no sangue e gordura corporal.

O fascínio que o ser humano experimenta a alcachofra, planta nativa do norte de África e sul da Europa, às margens do Mar Mediterrâneo, tem longa história. No sul da Turquia e Síria (oriente da Ásia) crescem ainda algumas espécies em estado selvagem que se consumiam entre os anos de 2000 e 2500 antes de Cristo, sem esquecer que em vários papiros egípcios aparecem personagens que consomem avidamente essas legumes ou, ao menos, algum de seus “parentes” mais próximos, como o cardo.

Além disso, cartagineses (assentados na Tunísia, norte da África), gregos e romanos a usavam desde o século IV a. C. e conservavam em mel ou vinagre, temperada com espécies aromáticas, para consumi-la durante todo o ano. Como curiosidade podemos dizer que, na época, considerou-se que a infusão resultante de ferver as folhas era uma bebida afrodisíaca e, até o XVIII, pensou-se que essa bebida pode ser o verdadeiro elixir da juventude.

Vale ressaltar que as variedades de alcachofra que conhecemos não são idênticas às que se comiam na antiguidade, mas que parecem derivar-se aquelas que desenvolveram os produtores italianos para o século XV. Além disso, várias das receitas que gosto hoje foram popularizada no século XVI, graças a que a rainha da França, Catarina de Médici, introduziu na corte gala vários refinados pratos que utilizam esse ingrediente.

Em terras mexicanas

A alcachofra chegou ao México por intermédio dos colonizadores espanhóis, que, por sua vez, a conheceram por meio dos árabes (parece que o seu nome provém do vocábulo -jarshuf ou “guias da terra”). Este fruto é utilizado principalmente nos estados do norte e centro do nosso país, onde, além de ser alimento é usado na forma de infusão, como auxiliar no tratamento de problemas digestivos e diabetes. Também é bom diurético (se favorece a emissão de urina) e estimulante do apetite.

Os principais produtores e consumidores de alcachofras são Espanha, Itália e França, sendo sua melhor época do outono e inverno, devido ao clima quente e seco faz com que seque rapidamente, perder a ternura e adquira um sabor amargo. A maior qualidade é a mais pesada e robusta em relação ao seu tamanho, com as folhas bem formadas, compactas e de cor verde claro. Para verificar a sua frescura pode apertar perto do ouvido, e se um barulho, sabemos que é legal.

Inúmeras qualidades

A alcachofra é a parte floral não madura da alcachofra (Cynara scolymus), planta própria de climas temperados do que em média atinge os 80 cm de altura; é de caule macio, folhas muito divididas, de aspecto duro e que origina frutos de cor café. Na realidade, as partes comestíveis são o receptáculo floral (coração de alcachofra) e as folhas carnudas e proteção que a rodeiam, as mesmas que ao encontrar-se sobrepostas e muito unidas dão a aparência de escamas.

A alcachofra não tem praticamente de gordura (0.12% de sua composição) e, ao igual que o resto de vegetais, contém pequenas quantidades de hidratos de carbono (2.9%) e proteínas (2.4%); e, por tal motivo, é fácil concluir que seu aporte calórico é baixo (21.56 quilocalorias por cada 100 g). Também destaca-se a presença de inulina, carboidrato derivado da sacarose, que é assimilada lentamente no organismo e que ajuda a manter níveis normais de glicose no sangue.

Além disso, a alcachofra é rica em fibra, necessária para a regulação do trânsito intestinal e para regular o consumo de colesterol (evita que o sistema digestivo o absorva em excesso), sem esquecer que proporciona minerais de grande utilidade para o organismo. Por se fosse pouco, fornece importantes valores de cálcio e potássio, além de que 100 g de planta cobrem 16% da necessidade diária de fósforo, 10% da de ferro e 8% de magnésio.

Entre as vitaminas, destaca-se a presença de vitaminaB1 (tiamina), vitamina B3 (niacina) e vitamina C (ácido ascórbico). No entanto, é mais importante a presença de uma série de substâncias que se encontram em pequena quantidade, mas que são dotados de efeitos benéficos:

  • Cinarina. Substância responsável pelo sabor amargo da alcachofra, capaz de estimular a secreção de bile (composto segregado pelo fígado, armazenada na vesícula biliar e ajuda a digerir gorduras) e a excreção de urina (ação diurética).
  • Ácidos orgânicos málico, cítrico, oxálico, e clorogénico. Facilitam a ação da cinarina, além de que atuam como antioxidantes, ou seja, bloqueiam substâncias responsáveis pelo envelhecimento celular e algumas formas de cancro (radicais livres).
  • Cinarósido. Substância da família dos flavonoides -, cuja ação anti-inflamatória foi testado.
  • Fitoesteróis. Compostos vegetais com capacidade para limitar a absorção de gorduras no intestino.

Devido a isso, fica claro que a alcachofra não só é um alimento que traz os nutrientes, mas que é eficaz protetor da saúde. O seu baixo teor calórico e alto teor de água e fibras tornando-se um excelente recurso de dietas de emagrecimento. Por sua vez, o seu conteúdo de vitamina C e antioxidantes ajuda a prevenir câncer e doenças que afetam o sistema circulatório, incluindo níveis elevados de colesterol (composto graxo que produz o fígado para proteger as membranas celulares de todo o corpo, mas que, quando há em excesso começa a acumular-se nas paredes de veias e artérias, obstruyéndolas).

Cabe destacar o efeito protetor, que exerce a cinarina sobre o sistema digestivo e, em particular, sobre o fígado, já que aumenta a produção de bílis necessária para a digestão de gorduras. Além disso, favorece a eliminação de toxinas e a depuração do organismo, devido a que estimula o rim para produzir urina.

Por sua parte, a inulina, além de ter as propriedades clássicas de qualquer fibra para regular o trânsito intestinal, contribui para a melhor absorção do cálcio, para a estimulação das defesas naturais da flora intestinal e na redução do colesterol e os níveis de açúcar no sangue, pelo que a alcachofra é um alimento muito recomendado na dieta de pacientes com diabetes (níveis de açúcar elevados por nulo ou baixo aproveitamento de hormônio insulina).

Apesar de que as propriedades acima tornam este vegetal em um dos alimentos que mais contribuem para a saúde, as mulheres que amamentam devem moderar o seu consumo porque altera o sabor do leite e a torna amarga.

Conselhos práticos

Os especialistas em gastronomia e nutrição recomendam que o consumo da alcachofra ocorra o mais rápido possível depois que foi adquirido, a fim de que sua consistência e propriedades se mantenham de forma ótima. Em geral, quando se introduz em um saco de plástico fechado, pode ser conservado em boas condições, de 3 a 7 dias em geladeira.

Um conselho muito útil para evitar que as alcachofras são ennegrezcan antes de cozedura ou ligeiramente temperados é colocá-los em um recipiente com água fria e o suco de meio limão; é importante não exceder essa quantidade de ácido cítrico, a fim de que não esconda o sabor natural da planta. Neste mesmo sentido, é preferível não cozinhe o alimento em panelas de ferro ou alumínio, pois, em tal caso, adquire aspecto desagradável, além de que suas propriedades se alteram.

Por último, vale a pena lembrar que as alcachofras podem ser preparadas de várias maneiras: fritas, panadas, no forno ou grelhado. No entanto, cozidos ao vapor ou com pouca água é a melhor maneira de cozinhá-las, sem que percam suas propriedades e sabor, o qual se caracteriza por ser um pouco amargo, mas com um toque doce ao final.

Óleo de fígado de tubarão para lesões na pele

O óleo de fígado de tubarão é utilizado na elaboração de suplementos alimentares e produtos cosméticos, devido a que seus componentes fortalecem o sistema imunológico, previnem doenças cardiovasculares e possuem propriedades antioxidantes. Gostaria de saber mais sobre estas qualidades? Continue lendo.


Embora, para alguns, é um animal de aspecto aterrador, que sempre faz as vezes de vilão nos filmes, o certo é que o tubarão não representa perigo algum para o cotidiano cauteloso, nem para aqueles que praticam a pesca com as medidas de segurança pertinentes.


É mais, os produtos que se obtêm das diferentes classes de estes peixes da subordem dos escualos foram aproveitados durante muito tempo pela humanidade: a sua carne, cartilagem (os tubarões não possuem um esqueleto de ossos), e o azeite que se obtém de seu fígado moído e submetido a cozimento.


Óleo de fígado de tubarão, Tratamento de feridas da pele


Tradicionalmente, o óleo de fígado de tubarão tem sido um produto consumido em litorais devido a que lhe são atribuídas diversas propriedades benéficas para a saúde, como ser eficaz no tratamento de feridas da pele ou para aliviar a irritação dos aparelhos respiratório e digestivo, além de ser muito apreciado pelos marinheiros devido a que é considerado fonte adequada de força e vitalidade que também melhora a resistência ao frio e às doenças.


O certo é que, na atualidade, é aproveitado pelas indústrias de alimentos, farmacêutica e cosmética, pois o estudo de sua composição química foi capaz de revelar que, na verdade, conta com diversos benefícios:



  • Melhora a oxigenação do sangue.

  • Ajuda a regular o nível de triglicerídeos (principal tipo de gordura que viaja pelo sangue).

  • Dá proteção e flexibilidade das artérias.

  • Reduz o envelhecimento dos tecidos.

  • Ajuda a aliviar lesões na pele e, até mesmo, gera melhorias em casos de psoríase (doença que é caracterizada pelo espessamento da pele, lesões de cor vermelha, inflamação e descamação).

  • É bom anti-inflamatório.

  • Fortalece o sistema imunológico.

  • Reduz o risco de doenças do coração e artérias.

  • É útil em doenças respiratórias.

Tudo isto é possível graças às diferentes substâncias que o compõem, alguns de natureza muito particular.


Omega-3 e 6


Embora para muitos pensar em gorduras ou lípidos é sinônimo de obesidade, a verdade é que a maioria destes compostos são de grande utilidade para a formação de hormônios, desempenham importante papel no desempenho do sistema de defesa contra infecções (imunológico) e são essenciais para o funcionamento do cérebro e da rede nervosa.


Sendo mais específicos, a um grupo de medicamentos conhecidos como ácidos graxos são úteis para evitar doenças do coração, hipertensão, diabetes e artrite reumatóide, assim como vários distúrbios visuais e problemas em geral em todos os tecidos, já que são elementos que fazem parte das paredes celulares.


Pois bem, o óleo de fígado de tubarão contém grandes quantidades de ácidos graxos ômega 3 e Ômega 6, que previnem a formação de coágulos no sangue, ajudam a regular a pressão sanguínea e diminuem os níveis de triglicéridos; além disso, aumentam a flexibilidade das artérias e ativam o processo anti-inflamatório que reduzem o risco de sofrer de artrite, câncer, psoríase, diabetes e distúrbios das células.


Os Ómega-3 agem como anti-inflamatórios e anti-coagulantes, além de que se presume que a sua presença evita a geração de tumores, uma vez que se detectou que as mulheres com câncer de mama têm níveis baixos destes ácidos graxos no tecido afetado. Em ambos os Ómega 6 inibindo o excesso de secreção de sucos gástricos, mesmos que podem condicionar a formação de gastrite e úlceras, uma vez que podem reduzir a severidade de um ataque de asma, relaxando os tecidos dos tubos bronquiais.


Gliceroles


Em 1922, um grupo de cientistas identificaram um componente ativo do óleo de tubarão chamado alcaoxiglicerol, mesmo que se tenha estudado clinicamente desde a década de 1950 e que pertence à família dos gliceroles, conjunto de substâncias através das quais o leite materno fornece defesas dos recém-nascidos.


Com efeito, verificou-se que os tubarões são animais com alta resistência às doenças e que raramente sofrem de câncer, fato que talvez se deva ao alcaoxiglicerol que gera o seu fígado e armazenada em diferentes órgãos, com importantes funções imunológicas, como vasos linfáticos, fígado, baço e medula óssea.


Embora se continuam estudando suas propriedades, talvez essa substância seja a razão pela qual vários povos da pesca do norte da Europa e outras regiões frias do globo atribuídos amplos poderes preventivos e curativos ao óleo de fígado de tubarão; por exemplo, dizem que consumir com frequência fornece proteção e alívio contra infecções geradas em vias respiratórias, como bronquite, laringite e faringite, por exemplo. Não é para menos, já que alguns estudos consideram que há mil vezes mais alcaoxiglicerol neste produto no leite materno.


Esqualeno


Há séculos se sabe que o fígado dos escuálidos que vivem nas profundezas do Oceano Pacífico, representando 25% do seu peso, e que dele se obtém um óleo que já no século XVIII, era utilizado pelos pescadores noruegueses para ajudar na cura de feridas e lesões de pele.


No início do século XX, verificou-se que estes tubarões carregam em seu fígado peculiar substância, batizada em sua homenagem como esqualeno, que lhes ajuda a contar com energia, crescer e se reproduzir em um ambiente pobre em oxigênio.


O por que deste fato é que o esqualeno é uma substância que precisa tomar muitos átomos “emprestado” do ambiente que o rodeia para conservar-se, de modo que, ao contato com a água (formada por dois átomos de hidrogênio com um de oxigênio) quebra a molécula do líquido vital, arrebata o hidrogênio e o absorve, deixando livres moléculas de oxigênio que o animal procura para viver. Esta propriedade começou a chamar a atenção de vários investigadores, que foram encontradas ao longo dos anos que esta substância serve para manter o equilíbrio das gorduras da pele, absorvendo ou bloqueando aquelas que são prejudiciais ou excessivas.


Deste modo, o esqualeno demonstrou alta capacidade em fórmulas de alisamento que não deixam a pele oleosa, assim como aquelas destinadas à restauração dos óleos naturais da pele que é exposta ao Sol, vento, poeira e poluição.


Além disso, a característica necessidade de esta substância, por encontrar átomos para se estabilizar leva-o a bloquear os radicais livres, que são substâncias químicas que produzem envelhecimento e câncer da pele. Além disso, favorece a regeneração celular, cicatrização e eliminação de manchas da pele, como manchas e espinhas, já que menor quantidade de substâncias tóxicas permite que as células se regenerando e cumprem seu ciclo de vida de forma saudável.


Deste modo, o velho conhecimento dos pescadores nórdicos é usado agora pela indústria cosmética, já que podemos encontrar no mercado produtos para a pele que contém esqualeno como ingrediente principal, às vezes combinado com outros antioxidantes, como as vitaminas A e E.


Vitamina E


Esta substância é outro antioxidante incluído o óleo de fígado de tubarão, e sua principal contribuição para o organismo humano consiste em prevenir danos às membranas celulares, o que diminui o processo de envelhecimento gerado pela poluição ambiental, fumo do tabaco e pesticidas.


Além disso, ajuda a aliviar a fadiga, a dissolver coágulos sanguíneos, protege os pulmões da poluição, fortalece o sistema de defesa, acelera a cicatrização de queimaduras e feridas, e permite que as funções do fígado e tecido muscular se desenvolvam adequadamente.


Finalmente, essas substâncias e suas qualidades explicam por que o óleo de fígado de tubarão é muito utilizado em cosméticos, suplementos alimentares e outros produtos da indústria farmacêutica; porém, a sua obtenção não justifica a exploração irracional destes animais, os quais, embora marcados por estereótipos que nos fazem acreditar que são inimigos do ser humano, são vitais para a conservação dos ecossistemas marinhos.

Acupuntura, o que é?

A acupuntura é uma técnica pertencente à Medicina tradicional chinesa que permite regular o fluxo de energia (qi), através da colocação de agulhas em áreas específicas do corpo. Com o objetivo de restaurar a saúde do paciente ou prevenir doenças.


Com o crescimento da medicina alternativa , temos sido testemunhas do surgimento de numerosas e peculiares técnicas de cura que, em maior ou menor medida, têm gerado grande expectativa, esperança e admiração, assim como severos questionamentos ou franca incredulidade. O tempo se encarregou de deixar em esquecimento, muitos desses procedimentos, enquanto que outros permanecem e continuam seu desenvolvimento, devido a que demonstraram a sua eficácia através de estudos científicos e, acima de tudo, através de bons resultados.


Esse é o caso da acupuntura, terapia que leva mais de 2.500 anos de ser praticada e que agora, longe de estar em desuso, se estuda e investiga as universidades e os centros de saúde de todo o mundo, tal como descreve o Dr. Crisóforo Ordóñez Lopez, especialista na área e professor de pós-graduação na Escola Nacional de Medicina e Homeopatia (ENMH) do Instituto Politécnico Nacional, localizada ao norte da Cidade do México.


O também membro da Associação brasileira de Associações e Sociedades de Acupuntura, A.C., explica que esta disciplina faz parte da Medicina tradicional chinesa e consiste no uso de agulhas metálicas muito finas, que se puncionan ou colocados sobre a superfície do corpo, sempre em pontos específicos que estão ligados, através de um ‘canal’, com um órgão ou de campo que sofre de alguma doença”.


Além disso, descreve que, apesar de ser guardado com cuidado, a acupuntura começou a transcender suas fronteiras de origem por mérito próprio a partir de meados do século XX. “No México começamos a aplicar a partir de 1960, aproximadamente, e se deu a conhecer massivamente em todo o mundo em 1972, quando o então presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, fez uma visita à China, em que se fez acompanhar por vários médicos para que conhecessem e aprender esta técnica. A partir de então, foi referido como o método terapêutico de grande utilidade para muitos sofrimentos”.


Harmonia de opostos


Em primeira instância, é difícil acreditar que a colocação de agulhas é o suficiente para ajudar a curar uma doença; no entanto, Ordoñez Lopes esclarece que esta técnica baseia-se na longa série de conhecimentos que foram comprovados paulatinamente. As punções, por exemplo, não são feitas ao acaso, mas em “pontos muito específicos que foram descobertos através de ensaio e erro. Como em toda a medicina, os chineses da antiguidade, partindo de um conceito mágico mediante o qual pensavam que, se os enfermos tinham alguma doença era, porque lhes tinha metido um demônio em uma área do organismo; por isso picaban a pele, uma vez que, curiosamente, teve lugar a cura”.


Pouco a pouco, se foram determinando quais são, por exemplo, as regiões em que a colocação de agulhas gera alívio nos rins, fígado ou pulmões, assim como aquelas onde se atenuam problemas digestivos ou dores de cabeça, e que não necessariamente estão perto do órgão ou da área afetada. Além disso, conforme foi aumentando o número de pontos descobertos, verificou-se que estes se unem através de “meridianos” conhecidos como canais de acupuntura.


Esses canais não são terminações nervosas, mas “caminhos um pouco diferentes, cuja existência está comprovada e através das quais circulam o sangue (xue, em chinês) e energia (qi ; pronuncia-se chi), que, para a medicina tradicional daquela nação asiática são, respectivamente, os contrários ying e yang . Nós podemos interpretar, a grandes traços, como as forças de frio e calor, as mesmas que quando se desequilibram fazem com que apareça uma doença”.


Assim, a colocação de agulhas tem o objetivo de atuar sobre os canais de acupuntura , para restabelecer o equilíbrio perdido entre as energias opostas e complementares, como a água e o Sol, tornam possível a vida e a saúde.


Amplo espectro


Dizer do Dr. Crisóforo Ordóñez, a acupuntura é útil em grande número de doenças que se manifestam com dor, entre elas:



  • Enxaqueca ou ataques recorrentes de dores de cabeça associadas a náuseas e desconforto gerado pela luz ou ruído.

  • Problemas de coluna, como lombalgia (dor na parte baixa das costas), dorsalgia (desconforto nas costas alta) e ciática (distúrbio nervoso que causa dor na parte baixa das costas, glúteos e pernas).

  • Colite ou inflamação do intestino grosso, causando gases abdominais, náuseas, prisão de ventre ou diarreia.

  • Hemiplegia, que é a paralisia de um hemisfério do corpo.

  • Paralisia facial ou perda total do movimento muscular voluntário de um lado do rosto.

  • Dor menstrual.

  • Perturbações musculares.

  • Estresse e ansiedade.

Também pode atuar a nível preventivo, já que estimula o sistema imunológico (que protege contra o ataque de microrganismos) e dá maior resistência às doenças.


Em termos gerais, o tratamento de uma doença através da acupuntura requer de terapias semanais, cujo número irá variar de acordo com o problema a tratar. Em contrapartida, quando é usada como medida preventiva, as sessões podem ser repetida mensalmente.


A pergunta expressa, o especialista indica que a acupuntura pode ser usada a par de outros tratamentos. “Não há problema quando se combina com drogas, mas cabe esclarecer que, em muitos casos, talvez na maioria, nós podemos agir com acupuntura somente. Geralmente, os pacientes que recorrem a esta terapia, porque já estão cansados de tomar tanto remédio.”


No entanto, esclarece o professor que esta disciplina pouco pode fazer em doenças crônicas (com as quais convive o paciente por toda a vida) quando estão muito avançadas ou em fase terminal”, por exemplo, na insuficiência renal (incapacidade do rim para filtrar o sangue adequadamente), câncer (formação de tumoraciones devido ao desenvolvimento de células anormais) ou sida (deterioração do sistema de defesas por causa de infecção pelo vírus da imunodeficiência humana), a ação da acupuntura é muito limitada e só a utilizamos para aliviar a dor ou para melhorar a qualidade de vida do paciente”.


De acordo com o Dr. Ordóñez López, diferentes estudos realizados em todo o mundo, assim como monografias (trabalhos de investigação que realiza um profissional para receber o seu título dos graduados da ENMH, concordam que a acupuntura tem um índice de eficácia de 70% a 80%, muito semelhante ao que têm outras terapias. “Mas é muito bom percentual, cabe ressaltar que não somos ‘todólogos’ nem oferecemos uma panacéia, pois não somos capazes de curar todos os problemas”, escreve o especialista.


Quanto às inovações que teve esta antiga disciplina, explica que a tecnologia ajudou a criar algumas variantes no tratamento, como “a electroestimulação, desenvolvida a partir da década de 1950-60, em que a agulha é conectada a um aparelho com o qual se enviam impulsos elétricos para ter melhores resultados, ou outros métodos mais inovadores, como o uso de ímãs ou campos magnéticos (magnetopuntura) ou de feixe de laser (acupuntura a laser) para estimular os pontos de acupuntura“, de modo que, ao menos neste caso, modernidade e tradição convivem em paz.


Dúvidas frequentes


Um dos pontos negativos que esta disciplina tem sofrido nos últimos tempos, não tem que ver com a sua eficácia, mas com a possibilidade de transformar-se em via de contágio de algumas doenças. O Dr. Ordoñez é clara e afirma que estudos sérios e rigorosos demonstram que nem o vírus da imunodeficiência humana (HIV, cuja infecção causa a sida) ou o da hepatite (ataca o fígado, inflamándolo e deteriorando o seu funcionamento), entre outros microrganismos, são transmitidos através desta técnica.


Apesar disso, enfatiza que os especialistas neste ramo da Medicina lançam mão de procedimentos que ajudam a evitar qualquer risco: “Quem estamos bem formados como médicos acupunturistas trabalhamos com agulhas descartáveis, que são muito económicas e usamos apenas uma vez, e em caso de que cheguemos a empregar as que são reutilizáveis são as damos ao paciente em um recipiente, marcada com seu nome, para que ele leve a sua casa, e não as compartilhe com ninguém mais”. Além disso, esclarece que é muito raro que ao fazer as punções são sangramento, de modo que a probabilidade de se gerar problemas posteriores é muito baixa.


Por outro lado, ao perguntar-lhe como você pode saber um paciente que está nas mãos de um bom acupunturista, o Dr. Ordóñez López diz que quem quiser se submeter a este tipo de tratamento deve recorrer a um médico de carreira que se tenha especializado nesta disciplina oriental, e não com pessoas que não têm conhecimentos profundos sobre o funcionamento do corpo humano e suas doenças.


Infelizmente, expõe, “há muita gente que exerce a acupuntura sem ter de estudos universitários e que só tomou um curso com duração de alguns meses ou semanas. Além de que são desonestos correm o risco de que a pessoa a que oferecem os seus serviços tenha algum problema grave, por exemplo, de câncer, que só pode ser tratada com métodos específicos, tais como medicamentos ou radiação. O único que conseguem esses maus terapeutas, é que o paciente perca tempo valioso por um diagnóstico errado e quando o doente vai ao médico adequado, é muito difícil dar a atenção devida, uma vez que o risco de ter um desfecho fatal é muito grande”.


Por isso, sublinha que a gente deve buscar a atenção daqueles especialistas que, depois de estudar Medicina (a corrida dura 6 ou 7 anos) tenham tomado uma pós-graduação (dois anos de preparação) em alguma das duas escolas oficiais que contam com estudos de acupuntura no México: o Instituto Nacional Politécnico e a Universidade Autônoma Metropolitana. “Não há melhor garantia para que o paciente esteja nas mãos de um verdadeiro profissional”.


Para concluir, o Dr. Crisóforo Ordóñez assegura que, apesar de parte da população (inclusive muitos médicos) considera que a acupuntura é uma charlatanismo ou de uma prática mágica, há muitas instituições sérias que realizam estudos para demonstrar suas qualidades terapêuticas e que vão além de “dar um simples piquete com uma agulha”.


Finaliza o professor: “Seria importante que tanto os pacientes como as autoridades volteen mais para a acupuntura e a descobrirem que se trata de um método eficiente, econômico, beneficente, natural e livre de efeitos colaterais (sempre que seja aplicado por um verdadeiro especialista) que, precisamente por estas qualidades, poderia ser incorporados aos sistemas de saúde pública”.


Se você quiser mais informações sobre o assunto ou receber terapia com um especialista, pode se comunicar com a Clínica de Acupuntura da ENMH ao telefone 5729-6000, extensão 555 15, na Cidade do México.

Algumas dicas úteis para aumento do pênis

A dia de hoje, termos à nossa disposição uma grande variedade de sistemas através dos quais podemos conseguir aumentar o pênis, o que obviamente se traduz em um aumento da nossa auto-estima e a melhoria da auto-confiança, mas sim, é importante que os conheçamos previamente para poder fazer uso daquele que se adaptem melhor às nossas necessidades.


Para saber mais sobre métodos para aumentar o pênis pode visitar: https://www.saudedoshomens.net/bomba-peniana/



O tamanho do pênis pode causar problemas sérios


Para poder desfrutar de uma boa qualidade de vida, é importante que façamos todo o possível por ter à nossa disposição aqueles sistemas ou soluções que nos permitam resolver qualquer tipo de imprevisto ou circunstância que possa dar.


Não devemos esquecer que o tamanho do pênis pode ser um problema que chega a nos afetar negativamente, com o qual é essencial que coloquemos tudo o que está à nossa disposição para conseguir resolvê-lo o mais rápido possível e com os melhores resultados, o que significa encontrar um sistema que se adapte perfeitamente às nossas qualidades específicas e, claro, também o que procuramos.


Em qualquer caso, há que ter em conta que vamos ter necessidade de aumentar o pênis, muito especialmente, quando a nossa vida não é tudo o satisfatório do que deveria, ou seja, quando vemos que o tamanho afeta-nos nas relações sexuais, é o momento perfeito para dar um câmbio e conseguir resolvê-lo.


Muitas vezes não damos a importância que merece a este tipo de problemas, mas há que ter consciência de que pode vir a nos afetar de forma muito negativa em relação com a nossa auto-estima e até mesmo com a autoconfiança, já que vamos nos sentir mais limitados em nossas relações sexuais, e toda essa insegurança se vai passando à nossa vida diária.


Por essa razão, devemos fazer todo o possível por estar totalmente em conformidade com a nossa vida sexual, e para isso temos de introduzir algumas mudanças em nossa vida que são os que nos ajudarão a conseguir que o nosso pau tem as dimensões e a espessura que precisamos.


Os melhores sistemas para o aumento de pénis


Existem muitos métodos através dos quais se pode proceder para obter um correto alongamento do pênis, embora, neste sentido, devemos lembrar que alguns são mais eficazes do que outros, ou seja, temos por exemplo, a opção da bomba peniana ou de recorrer à cirurgia, com o qual, evidentemente, em um prazo mínimo de tempo poderemos obter um crescimento considerável, mas, por sua vez, também devemos ter em mente que isso vai significar ter que superar uma recuperação que geralmente lhe ser bastante dolorosa, além de que, dependendo do paciente, em alguns casos pode-se obter mais e em outros que você pode obter menos alongamento.


No entanto, há outros sistemas totalmente naturais e que podemos fazer diretamente a nossa casa, como são os exercícios para aumentar o pênis que conseguem trabalhar o membro a nível muscular, atingindo um máximo desenvolvimento e, portanto, conseguindo esses centímetros adicionais que tanto precisávamos.


Neste sentido, os exercícios jelqing é sem dúvida uma das alternativas mais utilizadas na atualidade, já que nos ajudará a obter bons resultados em um prazo mínimo de tempo, e acima de tudo com a máxima segurança que, muitas vezes, é o que mais nos preocupa de alterar a nossa zona genital.


Naturalmente, estes aspectos também vão depender do centímetros de que precisamos, ou seja, há muitos casos em que o nosso problema é que nós gostaríamos de ter um par de centímetros a mais, no caso em que existem muitas possibilidades de que o fizermos, mas em outras circunstâncias, o problema pode ser que o nosso pau tem uma dimensão muito pequena, com o qual podemos ir testando até encontrar um sistema que nos permita um adequado crescimento e, se necessário, recorrer a alternativas até atingir a medida adequada.

7 dicas para aprender qualquer idioma

Harmonia – 6 dezembro, 2016CompartirFacebookTwitter

Saber mais de um idioma tem múltiplos benefícios para o cérebro e para a interação que podemos fazer com as pessoas do mundo. Além disso, quanto mais idiomas conhecemos, maior é o universo de informações a que temos acesso, seja por novas amizades de diferentes regiões, por leituras variadas que possamos encontrar, por filmes que podemos ver sem necessidade de legendas e um longo etc.

A questão é que com o passar do tempo começa a ser um pouco mais complicado de aprender outro idioma. Isso ocorre porque a plasticidade do cérebro da criança começa a reduzir-se com os anos. No entanto, não há que desanimar, pois durante toda a nossa vida, o cérebro continua a ter uma certa plasticidade que lhe permite aprender o que seja! Se você estiver interessado em aprender um novo idioma, não perca estas dicas para fazê-lo por tradutores profissionais.

  1. Entre em ação

Começa por definir o idioma que quer aprender e começar a conhecer as suas palavras. Em seguida, investiga-se pouco a pouco sobre a sua gramática. Seja realista com suas metas e tempos para aprender o idioma, para que não desanime no caminho.

  1. Faça parte da sua vida

Quando você estiver estudando um novo idioma lê literatura sobre ele, ver filmes nele, conversou nele e envolve algum aspecto de sua vida, para que não deixe de praticá-lo, mas que ele faça parte de sua rotina.

Lee: 3 formas de ser um turista com consciência ecológica

  1. Mantenha-o presente

Digite o nome de seus produtos de cozinha nesse idioma que você está aprendendo, você pode configurar o celular nesse idioma, e encontra qualquer forma possível de se ter presente o que está aprendendo. Quando uma língua se adapta ao seu cotidiano, é mais fácil de aprender.

  1. Aproveite todos os meios

Utiliza todas as oportunidades que a internet oferece em benefício de sua aprendizagem. Sites como Anki e Duolingo podem te ajudar a estudar o idioma que você está aprendendo.

  1. – Seus motivos

Quando desanime por todas as dificuldades que possa ter sobre o processo para aprender um novo idioma, lembre-se seus motivos. Pense em tudo o que você gostaria de alcançar ao aprender esse idioma, e segue com seu propósito. Por exemplo, imagine conhecer todos estes 15 lugares que você pode viajar sem gastar muito dinheiro.

  1. Pratique com falantes nativos

Se você tem a oportunidade, junto com os falantes nativos desse idioma que você quer aprender. Ao falar com eles e ouvir suas respostas você vai aprimorar de forma natural os detalhes da gramática de uma língua como ordem correta de suas orações, ou algumas mudanças no significado das palavras. Isso também pode encontrar em linha. E se você é introvertido e se é difícil se relacionar com as pessoas, talvez você queira saber 5 belos destinos que são perfeitos para os introvertidos.

  1. Não se preocupe se cometer erros

Lembre-se que aprender um idioma é, como qualquer outro objetivo na vida, um processo. Alguns dias você vai se sentir mais confortável com seus avanços do que outros, mas sempre vais avançando mais e mais.

Continua com 6 benefícios surpreendentes de falar mais de um idioma

Fonte: TED-Ed

Você gostou desta nota? Califícala

1 Estrela2 Stars3 Stars4 Estrelas5 Stars (17 votos, average: 4.47 out of 5)
Loading…

Afrodisíacos, peixes e frutos do mar para aumentar o desejo sexual

Quinta-feira, 20 de abril de 2017, 10:40 am, última atualização.

Uma mesa preparada para dois, luz de velas, vinho e um delicioso prato a base de peixe e frutos do mar representam magnífico preâmbulo para um encontro romântico, pois existe a crença generalizada de que estes alimentos marinhos são afrodisíacos naturais, será que é verdade? Descubra se é verdade que são ideais para acompanhar um encontro sexual inesquecível.

Os alimentos fornecem a energia necessária para que funcione o corpo, e nutrientes, e livra-nos de doenças. Ao cozinhar, em geral, escolhemos os primeiros que vêm à cabeça quando sentimos fome, mas também temos de selecioná-los pelo motivo oposto, ou seja, procuramos que estimulam nosso apetite… o sexual!

É claro que nos referimos aos afrodisíacos, aqueles que se consomem com o declarado propósito de despertar ou aumentar o desejo sexual. Entre eles encontram-se peixes e frutos do mar, cujas virtudes em uma dieta habitual estão demonstradas, enquanto sua relação com uma experiência agradável na cama continua a ser tema de análise científica.

Proteína e algo mais…

As inúmeras espécies de peixe que são comercializados no México, as diferentes possibilidades gastronômicas, juntamente com suas características nutritivas, fazem deste alimento indispensável na dieta de pessoas de todas as idades, na infância, adolescência, gravidez, amamentação, idade adulta e velhice.

O conteúdo protéico em peixes e frutos do mar oscila entre 15 e 20%, se bem que os peixes (atum, sardinha e salmão, por exemplo) e crustáceos (camarão, caranguejo ou lagosta) superam 20%; além disso, são considerados de alto valor nutritivo, pois contêm todos os aminoácidos essenciais que o organismo requer em quantidade e proporção adequadas. Além disso, essas proteínas passam rapidamente para o sangue, o que ajuda no funcionamento hormonal.

Mas isso não é tudo, o seu aporte de minerais também é relevante: fósforo, que ajuda a digerir proteínas, gorduras e hidratos de carbono, e ao adequado funcionamento do sistema nervoso; iodo, essencial para o bom desempenho da tireoide (glândula que se encarrega de criar hormônios que atuam em praticamente todas as funções do organismo); zinco, cuja falta se relaciona regularmente com problemas de disfunção erétil e de próstata.

Esta riqueza mineral tem levado muitos a supor que esses alimentos podem reforçar ou estimular a função ou o desejo sexual. Por exemplo, alguns estudos apontam que a suplementação de zinco (presente na síntese de esperma, fluido seminal e testosterona) representou uma melhoria da força, a libido e a frequência dos encontros íntimos em homens com problemas renais.

A realidade, entretanto, mostra que a relação entre alimentos e libido permanece mais psicológica do que fisiológica. Os nutrientes que recebemos de peixes e frutos do mar, evidentemente, beneficiam a saúde, mas seu efeito sobre a libido depende muito da nossa vontade, isto é, de querer que assim aconteça, por isso mentalmente, devemos preparar-nos para isso.

Frutos do mar e romance, boa combinação

Existem mais razões por que você deve consumir esses alimentos marinhos:

  • Fáceis de digerir. Pode ainda deleitar-se com os “frutos do mar” durante o jantar, após um encontro íntimo, sem medo de sofrer indigestão ou desconforto no estômago no momento mais inoportuno.
  • Imagem atraente. As suas proteínas fornecem aminoácidos necessários para o desenvolvimento e crescimento do corpo, isto é, para manter essa imagem que atrai e seduz seu parceiro, sem esquecer que fornece energia suficiente para uma sessão de carícias íntimas tão prolongada que provoque faíscas!
  • Excitação. Eles contêm ácidos gordos Ómega 3, em abundância, os quais favorecem o fluxo sanguíneo e oferecem importantes benefícios em todo o encontro sexual. Qual a razão? Durante a excitação, aumenta a quantidade de sangue que flui para a área genital, permitindo a ereção nos homens, e dilatação do clitóris, congestionamento das paredes da vagina, bem como a adequada lubrificação na mulher.
  • Sem inibições. A água é o elemento mais abundante na composição de peixes e frutos do mar, por isso a sua relação é inversa à quantidade de gordura (a maior conteúdo daquela, menos gordura e vice-versa). Graças a este nível calórico relativamente baixo, você pode consumi-los com a frequência que quiser, o que te mantém em forma para aproveitar ao máximo qualquer encontro sexual livre de inibições.

Agora já sabe, alimentarte bem também pode producirte o prazer na cama!

Afrodisíacos, como funcionam os estimulantes do desejo sexual?

Quarta-feira, 21 de junho de 2017, 07:34 pm, última atualizaçãoAfrodisíacos para desfrutar do sexo, Estimulantes do desejo sexual

O ser humano está sempre interessado desde há séculos por encontrar maneiras diferentes de desfrutar do sexo. Uma seção especial merecem os produtos para despertar esse instinto selvagem que nos leva a ter um encontro inesquecível. Como funcionam os afrodisíacos?

Como Estimulantes da libido?

As substâncias que aumentam a capacidade de estimular o desejo sexual são chamados afrodisíacos, palavra que deriva do nome da deusa grega do amor e dos prazeres derivados dele, Aphroditeé. O sucesso destes produtos é que, por suas propriedades, podem ajudar a que o encontro íntimo com o parceiro seja prolongada e agradável, embora, por vezes, os resultados diferem do esperado.

Os problemas podem se iniciar a partir do momento em que se recorre a eles antes de ir a um médico para buscar solução para problemas de casal em relação com a sexualidade. Os psiquiatras reconhecem que os homens procuram que os afrodisíacos acabem com disfunção erétil ou ejaculação precoce de forma simples, rápida e sem maiores complicações, com substâncias supostamente maravilhosas.

A indústria farmacêutica oferece produtos que ajudam o homem a superar os problemas que foram relatadas. No entanto, a ignorância e a desinformação fazem com que muitas pessoas pensem que são medicamentos mágicos, quando, na verdade, têm instruções precisas. É o caso do popular Viagra, que não é um afrodisíaco, mas uma terapia que está indicada especificamente para solucionar problemas de disfunção erétil.

Outros produtos processados quimicamente, que também são indicados para resolver antes da chamada impotência sexual podem causar lesões graves ou reações adversas, como inflamação, alergia, infecções, insuficiência cardiorrespiratorio, aumento ou diminuição bruscas da pressão arterial, vômito, tontura, dor de cabeça, enjoo e outros sintomas.

Estas substâncias são projetadas para aliviar doenças específicas, de forma que, se administrado a alguém que não precisa, geram problemas como os acima referidos.

Não tem faltado quem considere que o potencial sexual reside em hormônios, e que ingerir uma dose generosa produziria um efeito estimulante. Os avanços da ciência tem comprovado que não é assim, e que só funcionam dessa maneira, as pessoas com deficiências hormonais, mas naqueles em que os níveis são normais, o que pode gerar outras complicações, como aparecimento anormal de pêlos, dores no peito e problemas cardiovasculares em mulheres, enquanto que nos homens é comum a queda de cabelo e problemas de coração, entre outros.

Disfarçados de estimulantes, drogas, cigarro e álcool cumprem um efeito relaxante e desinhibidor que confunde os consumidores, com a desvantagem que podem ser viciantes, e se consumidos em excesso desenvolvem doenças graves.

Produtos naturais que aumentam o desejo sexual

Não existe nenhuma substância milagrosa, mas, ao longo da história o homem foi verificado que existem produtos de origem natural que, na realidade, têm efeito estimulante da libido. Nesta lista podemos citar plantas como mandrágora, ioimbina, guaraná, gengibre, ginseng, manjericão ou damiana e os derivados de todas elas, assim como noz-moscada, frutas exóticas (maracujá), azeite, frutos do mar e trufas, entre outros, que têm efeitos recomendáveis se você não se consumidos em excesso. Existem mitos em torno da ingestão de ovos de caguama, ou pó de chifre de rinoceronte e asas de mosca espanhola, mas não deixam de ser isso, mitos, e muito caros.

O certo é que as vitaminas A, D, E, B, minerais como zinco, lítio, potássio, fósforo, cálcio e ferro fortalecem a constituição física e o desejo sexual, mesmo efeito de algumas bebidas alcoólicas, como o chamado licor de amor, tequila, pulque, strega e outros mais excêntricos.

No entanto, a grande verdade é que o órgão sexual mais importante do corpo é o cérebro, e não dos órgãos genitais, como se poderia pensar. Se um indivíduo desenvolve a capacidade de estimular o cérebro do seu parceiro conseguirá experiências únicas. Para isso, é de vital importância a comunicação não-verbal, e onde domine o sensorial sobre o racional.

Alimentação, importante aliada na terapia homeopática

 


Muitas doenças encontram sua origem ou parte dele em maus hábitos nutricionais; por isso, a Homeopatia sugere que, para obter um tratamento bem sucedido, é necessário lançar mão do chamado regime adjuvante, que consiste em corrigir defeitos na dieta do indivíduo.


A Nutrição tem importância fundamental no nosso estado de saúde, tanto do ponto de vista preventivo como de cura e de melhoria da qualidade de vida. Se bem que é algo conhecido de outros tempos, a realidade nos mostra que a alimentação é cada vez mais desequilibrada.


Alimentação, importante aliada na terapia homeopática


Ainda, estima-se que 75% das mortes no México e em países desenvolvidos estão associados a doenças cardiovasculares (do sistema circulatório), diabetes mellitus (aumento da concentração de glicose no sangue, devido à incapacidade do organismo em aproveitá-la) e cancro, doenças que têm entre suas principais causas inadequado estilo de vida.


Neste contexto, a dieta desempenha relevante papel, pois a cada dia aumenta o consumo de gorduras, carnes vermelhas, farinhas refinadas, açúcares simples e guloseimas, o que dá lugar a obesidade, hiperlipidemia (aumento de gordura no sangue) e distúrbios metabólicos.


“Samuel Hahnemann, pai da Homeopatia, estabeleceu que a doença é conseqüência da energia vital afetada e, desde então, tal perturbação está intimamente ligada com o que comemos”, refere o Dr. Humberto Cota Gomez, especialista em Otorrinolaringologia e Homeopatia dedicado à prática privada.


Pela boca morre o peixe


Hábitos de vida, turnos de trabalho prolongados, pouco tempo disponível para comer e incorporação da mulher ao mercado de trabalho, entre outros fatores, estão modificando a forma de nos alimentar. A ingestão de alimentos tradicionais diminuiu no México e, ao mesmo tempo, ganharam terreno dos produtos “sucata“. Se a isto se soma a redução da atividade física, entenderemos por que foram aumentando as doenças crônico-degenerativas.


“Com frequência, os pacientes referem em torno de certos alimentos as seguintes frases: ‘eu sei que não é bom, mas eu gosto” ou “eu já estou acostumado a comer dessa forma’. O anterior deixa ao descoberto que a saúde está menos cotado que o ‘gosto’ ou ‘costume’, o que se tem agudizado pela presença de numerosos estabelecimentos de comida rápida, cuja mensagem publicitária se resume em ‘come gostoso e desfrute imediatamente'”, adverte o especialista.


Neste contexto, destaca-se a explicação de Samuel Hahnemann, em seu Tratado das doenças crônicas, que refere, entre outras coisas, que o bom médico deve reconhecer e remover os obstáculos para a cura. E, com efeito, um dos principais problemas é a má alimentação.


Há que se destacar que na luta diária contra a balança costumam cometer erros nutricionais, pois a maioria dos programas de perda de peso que se promovem em diferentes meios de comunicação prometem resultados imediatos, e nunca consideram-se determinado método é adequado para quem vai usá-lo.


Em consulta


“A Homeopatia sempre tem que ver o paciente como um todo, estudando os sintomas para observar o quadro completo e medicar com sabedoria, mas, além disso, é indispensável saber de Nutrição”, indica o Dr. Cota Gómez.


Acrescenta que a visão de Samuel Hahnemann era ampla e sábia quando aconselhava os médicos de sua época, do que dar importância a coisas que nunca antes haviam considerado, como dietas, alimentos benéficos e adversos, efeitos dos alimentos sobre os tratamentos homeopáticos e conseqüências do comportamento alimentar dos pacientes.


Além disso, neste sentido, é importante reconhecer que a Nutrição oferece grande ajuda em todo tratamento, pois ao seguir uma dieta equilibrada e otimiza-se o tratamento homeopático e, ao mesmo tempo, evita que o paciente recaia.


Para estar saudável


Como podemos ver, a base para manter a boa saúde é, sem dúvida, a dieta equilibrada, juntamente com rotinas de exercício, descanso adequado, assim como a higiene física e ambiental. Em geral se esquece ou se subestima que, na maioria dos casos, uma alimentação completa permite que o paciente se recupere mais rápido e que os medicamentos homeopáticos cumprem seu papel de forma mais eficaz.


“Se curar por meio da dieta é algo que todo mundo sonha, a realidade nos mostra que é mais difícil de modificar os pacientes, já que os distúrbios alimentares são provenientes de maus costumes que se aprendeu na infância e foram favorecidas pelos adultos. Por isso, é necessário trabalhar este aspecto com o paciente, proporcionando educação nutricional”, encerrou o homeopata.


O anterior, de acordo com o Dr. Cota Gómez, deve ser enfocado sob dois pontos de vista:



  • Prevenção. Baseia-Se nos resultados de todos os estudos científicos que comprovam as propriedades nutricionais e terapêuticas dos alimentos, componentes necessários para viver de forma saudável e as quantidades diárias que devem ser consumidas de acordo com idade, estado de saúde, sexo e estilo de vida.

  • A cura. Consiste na correção de hábitos alimentares, uma vez que as pessoas experimentam alguma tristeza.

É importante ter presente que a Homeopatia nunca concentra as doenças ou desequilíbrios como problemas isolados, por isso sempre tenta fazer, além de tomar a medicação adequada e praticar a higiene necessária, o paciente assuma corretamente a sua necessária participação ativa no processo de cura por meio de incorporações, retiradas ou substituições de alimentos.


As opiniões expressas neste artigo não refletem necessariamente o ponto de vista da Associação Nacional da Indústria Farmacêutica Homeopática, A.C. (Anifhom).

Alimentação, fator de risco para desenvolver câncer de mama

De acordo com recentes pesquisas, cerca de 30% dos cânceres estão associados ao estilo de vida, em especial ao consumo de tabaco e álcool, assim como a alimentação. Este último fator chama poderosamente a atenção, pois considera-se que 7 em cada 10 mexicanas são obesas, em outras palavras, candidatas à doença letal.


O principal fator para desenvolver câncer, e perante o qual o afetado pouco pode fazer, é o fato de que algum familiar tenha sofrido esta doença. No entanto, particularmente na mulher existem outros fatores que também podem influenciar o seu aparecimento, como a idade (superar os 55 anos), exposição a radiações, e o uso de contraceptivos orais. Sendo ainda mais específico, o câncer de mama pode ser influenciado também pelo número de gravidezes e a idade em que se tem a primeira menstruação (menarquía) e/ou a última (menopausa), pois em ambos os casos, quanto mais jovem, maior o risco.


Câncer de mama


No início do texto, fez-se menção de que álcool e tabaco são igualmente agentes de risco, sendo ambos viáveis de controle; não obstante, nesta ocasião faremos ênfase outro fator controlável: as dietas ricas em gordura que causam a obesidade. Neste sentido, o Dr. Victor Lira Porto, chefe de Oncologia do Centro Médico Nacional, Século XXI, afirma que “no México, a alimentação em geral é rica em gordura, o que motiva o aumento de peso corporal e a quantidade de estrogénios (hormonas femininas) no sangue, o que aumenta o risco de padecer de cancro da mama em mulheres, principalmente após a menopausa.


“Sabe-Se, por exemplo, que em países como o Japão, onde a alimentação é rica em fibras e peixes, os índices de câncer de mama são muito baixos, enquanto que na Alemanha as estatísticas aumentam consideravelmente porque o consumo de carne e gorduras é elevado”, acrescenta o especialista em câncer.


Os estudos a respeito datam de várias décadas, mas alguém recentemente realizado na Unidade de Nutrição de Cambridge (Inglaterra) indica que as mulheres que seguem uma dieta com um teor excessivo de gorduras, em especial as chamadas saturadas (presentes sobretudo na manteiga, laticínios integrais, carnes e alguns biscoitos e bolos) têm maior risco de desenvolver câncer de mama do que aquelas que não as consomem, tal como o deu a conhecer a vice-diretora da instituição Sheila Bingham.


Medidas preventivas


Como mencionou o Dr. Lira Porto, o segredo do baixo número de casos de câncer de mama em mulheres orientais reside na alimentação, na qual se baseia, principalmente, na incorporação de fitoestrógenos, substâncias obtidas do reino vegetal e que, ao consumir-se realizadas no corpo feminino, as funções de estrogênio.


Graças a eles, há baixos níveis de colesterol e triglicérides (tipo de gordura que afeta a saúde do organismo), devido aos seus princípios ativos chamados de isoflavonas, linhanos, coumastinas e lactonas do ácido resorcíclico, os quais, além disso, protegem contra micróbios, possíveis inflamações e desenvolvimento de osteoporose. Os fitoestrógenos são consumidos através de:



  • Soja. Leguminosa originária da China e trazida para o ocidente desde o início do século XX. É constituída por 38% de proteínas, que por sua vez engloba todos os aminoácidos de que precisa o ser humano, ou seja, os chamados essenciais (fenilalanina, isoleucina, leucina, lisina, metionina, threonina, tryptophano e valina, entre outros). Além disso, é um alimento rico em vitaminas, especialmente do complexo B, a vitamina B1 (tiamina), B2 (riboflavina), B3 (niacina), assim como de ácido fólico e minerais como cálcio, ferro e fósforo. Sabe-Se que tem propriedades antioxidantes, ou seja, evitam o envelhecimento acelerado das células. Aconselha-Se consumir 34 mg ou mais de planta inteira de soja em duas doses diárias, preferencialmente pela manhã e à tarde, pois desta forma, você reduz o colesterol é chamado mau.

  • Tofu. Derivado da soja, cujas sementes são colocadas de molho para depois cozedura; o líquido obtido é chamado de leite de soja, e após receber um coagulante natural (geralmente vinagre de maçã ou suco de limão) dá origem a um “requeijão”, que recebe o nome de tofu, o qual pode ser consumida de várias formas, entre elas na ração, patê ou salsichas. Além de aliviar o desconforto do climatério, que previne a descalcificação de ossos e o acúmulo de gordura nas artérias, o que afasta infartos e câncer.

  • Cimicifuga racemosa. Planta originária do oriente e da qual se aproveita medicinalmente o caule, onde se localizam glicosídeos triterpénicos e isoflavonas, cujo mecanismo de ação interage de forma eficiente com os receptores de estrógeno. Foi verificado que fortalece ossos e artérias, e reduz as quantidades de colesterol no sangue; é comercializado na forma de comprimidos revestidos de 20 g e é comum que seja prescrita pelo médico como complemento de um tratamento hormonal.

Agora, o outro segredo oriental está no consumo de fibra vegetal, a qual é formada por um conjunto heterogêneo de componentes: celulose, hemiceluloses, pectina, gomas e ligninas, cujas principais ações são atrasar o esvaziamento gástrico, reduzindo a velocidade de absorção de glicose e do colesterol dos alimentos, além de diminuir o tempo de trânsito intestinal e aumentar o volume das fezes e a frequência de evacuação.


Os especialistas em nutrição recomendam ingerir entre 20 e 30 g por dia de alimentos ricos em fibras, entre os quais podem ser mencionados: farinhas integrais (para fazer pão e massas), aveia, lentilhas, amêndoas, milho, grão-de-bico, ervilha, casca de batata, cenoura, abóbora, espargos, brócolos, repolho, couve-flor, alface, goiaba, manga, figo, ameixa, pêra e maçã com casca, mamão, uvas passas, limão, laranja e toranja.


Renovação celular


Fatores como a poluição, determinados produtos químicos de uso doméstico, certos medicamentos, tabaco, raios-X e pesticidas são geradores dos chamados radicais livres, compostos que aceleram o envelhecimento celular , que pode resultar em problemas graves de saúde, como câncer.


Para prevenir a produção descontrolada de radicais livres, o organismo conta com um sistema de controle, ou seja, cria os chamados antioxidantes, mas, infelizmente, a quantidade gerada, não é sempre suficiente para neutralizar sua ação. No entanto, através do consumo de determinados alimentos, incrementaremos a quantidade destes nutrientes, entre os quais devemos destacar:



  • Vitamina A. Também é chamado de retinol (quando se obtém de alimentos de origem animal) ou beta-caroteno (se for o caso de frutas e vegetais). De forma natural se encontra no fígado, peixe gordo, gema de ovo, leite, queijo, manteiga, cenoura, espinafre, damasco, brócolis, pêra, laranja, couve de bruxelas, manga, pêssego e maçã.

  • A Vitamina C É conhecida como ácido ascórbico, que é necessária para produzir colágeno, metabolizar as gorduras, cicatrizar feridas e fortalecer as defesas do organismo. Pode ser encontrado no tomate verde, melão, couve de bruxelas, couve-flor, groselhas, goiaba, morango, kiwi, laranja, toranja e limão, principalmente.

  • Vitamina E. Também é conhecida como tocoferol, e existe em quatro tipos: alfa, beta, gama e delta. Está contida no abacate, brócolis, ameixa, espinafre, aspargos, maçã, banana e cenoura. Sua deficiência pode causar a destruição de células e glóbulos vermelhos do sangue, anemia, envelhecimento precoce e distúrbios da reprodução.

  • Selênio. Mineral com a capacidade de prevenir o envelhecimento precoce e câncer. Os alimentos que contêm são: carne, peixe, leite, germe e farelo de trigo, cebola, alho, tomate verde, brócolis e levedura de cerveja.

  • Ácido fólico. Também é conhecido como vitamina B9 e em combinação com a vitamina B12 (de forma natural encontra-se em leite, queijo, ovo, fígado, feijão, peixe e carne) participa na construção do ADN (ácido desoxirribonucleico, proteína que recolhe o material genético e regula o metabolismo de células), bem como na formação e maturação de glóbulos vermelhos (elementos contidos no sangue responsáveis pelo transporte de oxigênio para todo o organismo); de forma natural é encontrado em vegetais verdes, cogumelos, fígado, laranja, nozes, legumes, gema de ovo e cereais enriquecidos. Durante a gravidez, recomenda-se que o consumo de ácido fólico pode aumentar e perdure três meses depois do parto, através de suplementos vitamínicos e suplementos alimentares.

Gorduras e mais gorduras


O oncologista Lira Porto é categórico ao afirmar que 1 em cada 8 mulheres mexicanas é propensa a desenvolver câncer de mama, aumentando consideravelmente as chances que sofrem com excesso de peso.


“Os obesos são mais vulneráveis a sofrer de câncer com o consumo de gorduras saturadas. Por isso, mais vale conhecer os elementos que podem ajudar a prevenir este mal, e lembrar que, por si mesmo, nenhum alimento gera a doença mortal”, acrescenta o entrevistado.


Para diminuir a quantidade de gordura é recomendável modificar os hábitos alimentares. Por exemplo, teria que reduzir o consumo de manteiga, carne vermelha e gorduras animais, substituindo-as por carne magra (sem gordura), peixe, frango sem pele, leite e derivados lácteos descremados. Na hora de cozinhar, prefira os alimentos cozidos, assados e cozidos ao vapor, e usar óleo de oliva, já que estes alimentos parecem ter efeitos preventivos contra o câncer. Lembre-se aumentar a ingestão de fibra dietética, limitar o consumo de açúcar, sal, álcool e tabaco, principalmente.


Finalmente, o Dr. Lira Porto informa que estudos realizados em mulheres atletas, comprovaram que a quantidade de estrogênio em seu corpo é menor com relação às outras que levam uma vida sedentária. De tal forma, uma alimentação baixa em gorduras e a prática de exercício físico melhora a qualidade de vida e colaboram na diminuição dos riscos de desenvolver câncer. “No entanto, se o problema é detectado antes que o tumor alcance 1 cm, pode extirparse e, assim, se livrar do problema”.

Jóias, artigos de casa de uma dieta saudável

Segunda-feira, 24 de outubro de 2016, 12:54 pm, última atualizaçãoMolhos para saladas, Molhos para refeições frescas

A temporada de calor convida a saborear refeições frescos, nutritivos e que deleiten ao paladar, fazendo com que as saladas são um dos pratos mais recorrentes. Para que seu sabor seja único e inovador, dá-lhes um toque especial com o molho ou tempero para escolher. Quer conhecer algumas?

Conta a história que o homem pré-histórico para saciar seu apetite se alimentava de raízes, frutos e folhas de árvores, até que projetou armas com que possa matar animais para comê-los, e se esqueceu de sabores e benefícios do reino vegetal.

Seria até o auge do império romano, que retomou o gosto por legumes crus, as quais eram contadas com recurso a uma solução de água e sal, e graças ao qual os convidados se serviam para melhor digerir depois de seus famosos e grandes banquetes gourmet complementados.

Já no século XVIII, começou a popularizar-se em todo o mundo o hábito de comersaladas, as que se preparavam em base a couve, aipo, espinafre e agrião, entre outros vegetais, temperados com azeite, vinagre, sal e pimenta.

Em nossos dias, praticamente qualquer pessoa pode preparar saladas, o segredo é saber combinar verduras frescas e levar a imaginação mais além para utilizar a variedade de molhos, também chamados de condimentos, que o mercado oferece.

De plug-ins e mais coisas

A gama de produtos com os quais você pode preparar um molho é infinita, pensa simplesmente em óleos, vinagres, ervas aromáticas, especiarias, leite, frutos secos, purês, xaropes ou essências, entre outros. Ora, se sabemos condizer os temperos adequados acentuaremos e enriqueceremos o sabor natural dos ingredientes do prato.

Nesta ocasião concentrar a atenção nos temperos mais usados na cozinha internacional e com os que você certamente já teve contato.

Óleos

Substância gordura vegetal extraído de frutos ou sementes de diversa procedência, sendo a mais popular, por saudável, o azeite de oliva, obtido a partir de azeitonas; e o seu sabor é levemente picante e aromático, por isso é muito cobiçado.

O classificado como extra virgem é obtido da azeitona de máxima qualidade, portanto, é o mais indicado para consumir; tem a cor amarelo-esverdeada e pode aromatizarse com ervas (manjericão, por exemplo) e especiarias (como tomilho) para complementar perfeitamente quase qualquer salada, sirva como ponto de mencionar que é base da famosa dieta do mediterrâneo.

O óleo de oliva foi comprovado cientificamente que se favorece a evacuação da bílis da vesícula, com o qual se dá um melhor aproveitamento das gorduras contidas em nossa alimentação. Seu consumo regular tem um efeito redutor sobre os níveis de colesterol no sangue, gerando baixas probabilidades de sofrer de doenças cardiovasculares.

Outros óleos indicados para acompanhar as saladas são os feitos com nozes, amêndoas, pistache, amendoim e avelã, entre outros, embora a novidade em produtos orientais é o do pimentão vermelho.

Vinagres

São obtidos a partir da fermentação de bebidas como vinho ou opiniões; a gama de sabores se estende desde o azedo até o suave e aromático. Seu nome vem do latim vinum acer (“vinho azedo”), e do processo químico para a sua produção é derivado de ácido acético por ação de microrganismos do grupo Acetobacter, e outros que contribuem para o aroma e sabor característico de cada tipo.

Em termos gerais, o organismo agradece o seu consumo, já que seus minerais e elementos residuais ajudam os processos de digestão e eliminação, são eficazes desintoxicantes e úteis agentes para purificar o sangue; além disso, contribui para devolver os sais minerais perdidos com o aparelho digestivo e colabora na destruição de bactérias, fungos e até mesmo parasitas intestinais. Da mesma forma, contraria os efeitos de dietas excedidas em açúcar e farinha refinados, que produzem prisão de ventre, obesidade e colesterol, e estabiliza os níveis de açúcar no sangue, cujas baixas são as responsáveis por ataques compulsivos de fome; por outro lado, oferece benefícios para a pele, pois atua refrescando queimaduras superficiais leves e inflamações locais. A forma de conselho, se quiser aumentar os efeitos benéficos indicados, tome um copo de água e uma colher de sopa de vinagre antes de cada refeição e de deitar.

Os vinagres mais populares são:

  • Vinagre de maçã. Considerado o mais saudável e indicado para todas as saladas; sua cor é dourado e sabor forte.
  • Vinagre de vinho branco. Para combinar com os pratos à base de peixe e em todas as saladas.
  • Vinagre de vinho tinto. De sabor suave, por isso é ideal para cozinhar carnes vermelhas e peixe.
  • Vinagre de jerez. É elaborado com essa bebida, o que lhe dá o sabor característico; acompanha muito bem saladas e legumes, além de carnes vermelhas.
  • Vinagre de ervas. Qualquer um dos três primeiros é possível adicionar especiarias a gosto, entre as quais você pode escolher funcho, gengibre, pimenta e mostarda, entre outras.
  • Vinagre balsâmico. Originário da Itália, é elaborado com base suco de uva; é escuro e ligeiramente adocicado.
  • Vinagre branco. Também chamado de destilado, pois se obtém esse processo químico a que se submete o álcool de cana; e o seu sabor é muito forte e indicado para acompanhar peixes.
  • Vinagrete. É usado em todas as saladas, e para elaborarla geralmente despeje sal e pimenta do reino a gosto num recipiente à parte, ou em uma vasilha, acrescenta-se uma porção de vinagre e mistura-se com o anterior; uma vez dissolvido, adicione óleo (três vezes mais que a quantidade de vinagre empregado) e mistura-se até que emulsione, ou seja, que perca a transparência e engrosse ligeiramente. Se o vinagre é balsâmico ou de jerez, recomenda-se reduzir a quantidade, pois o seu sabor é forte.

Outros molhos

  • Francês. Adicionar ao vinagrete básico uma colher de chá de açúcar ou mel e uma de mostarda. Perfeito para saladas de folha.
  • Iogurte. Mistura de iogurte natural com azeite, vinagre e umas folhas que estão de hortelã. Também pode ser preparado com metade do queijo fresco e metade do iogurte. Vai muito bem com saladas de pepino, batatas e saladas verdes em geral.
  • Maionese. Coloque no liquidificador o ovo, 200 mililitros de azeite, duas colheres de sopa de vinagre ou suco de limão, sal e uma ponta de mostarda. Serve tal qual ou aromatizado com salsa, o curry (especiaria originária da Índia, aromática e de sabor forte), molhos picantes ou catsup, entre outros. É adequada para todo o tipo de saladas, especialmente de cenouras e couve.
  • Cebolinha. Despeje na batedeira cebolas pequenas (tipo cambray) e salsa, em partes iguais, juntamente com o azeite, o vinagre e o que receber com a ponta dos três dedos de açúcar. Apropriado para saladas de folhas, de papas, em que intervenham frutos do mar ou peixes frescos ou defumados.

Verde que te quero verde

Apesar de falar dos benefícios que trazem à saúde legumes, vegetais, hortaliças e leguminosas seria motivo de extensa reportagem para cada uma, vale a pena mencionar de forma genérica as contribuições de alguns deles ao usá-las em saladas.

Em termos gerais pode-se dizer que os legumes o conteúdo de gordura é menor do que 1%, hidratos de carbono entre 2% e 7%, além de que todas trazem fibra, o que colabora significativamente para uma boa digestão. Além disso, estão contidas (exceto a D e B12, exclusivas dos alimentos de origem animal) praticamente todas as vitaminas.

Se você quer particularizar ainda mais, pode-se dizer que a cenoura contém beta-caroteno (se convertem em vitamina A e que ao entrar no organismo), enquanto que a couve e alface fornecem ácido fólico. Quanto aos minerais, alface, repolho e cenoura fornecem cálcio e potássio, embora pouco ferro.

Cabe mencionar que a principal base da salada é a alface em todas as suas apresentações, a qual contém, de acordo com os nutriólogos, propriedades refrescantes e vitaminas A, B, C, além de pequenas quantidades de E.

A alface é oriunda da Índia e se come desde tempos muito antigos; os hebreus, por exemplo, a consumiam por prescrição religiosa durante o tempo de Páscoa. Também se acreditava que aumentava a quantidade de leite materno em mulheres que amamentam, e até mesmo o recomendava como calmante ou para conciliar o sono, graças aos sais de magnésio, o que contém, que ajudam a regenerar as células nervosas.

Bem, o que se segue é um pouco de imaginação para combinar cores, texturas e sabores até obter a melhor salada junto ao mais requintado azeitona de mesa, você tem a última palavra!

Alimentos que aliviam a irritação da garganta

Quinta-feira 06 de abril de 2017, 04:09 pm, última atualizaçãoComo evitar a irritação de garganta com alimentação, Prevenção de infecções de garganta

Alguns produtos alimentares influenciam o nosso sistema respiratório muito mais do que imaginamos, e nesta temporada fria podem ser excelentes aliados para controlar formigamento e leve irritação da garganta, bem como tosse, expectoração, espirros e congestão nasal.

Garganta irritada por frio

As baixas temperaturas e os festejos decembrinos costumam ser combinação pouco favorável para as vias respiratóriase, por isso, é comum que nesta época do ano, se cadastre importante elevação de problemas como a garganta irritada e resfriado comum em pessoas de todas as idades.

Isso acontece porque o frio enfraquece o sistema de defesa do nosso organismo (imunológico) e porque nas noites de festa, tão freqüentes durante a temporada, é quando se ingerem mais bebidas com gelo e aumenta o consumo de cigarros (ou inalado a fumaça gerada por outras pessoas).

Assim, é comum experimentar sintomas como garganta irritada, congestão nasal e espirros ocasionais, os quais podem indicar o início de uma infecção ou resfriado, que é possível controlar para evitar seu avanço.

Em sua maioria, esses sofrimentos são causados por vírus, os quais não são eliminados com o uso de antibióticos, mas requerem atenção, pois a infecção pode progredir.

A prevenção e alívio de esse desconforto, é possível através de recursos eficazes e ao alcance de todos. Trata-Se de vários tipos de alimentos que, por suas propriedades nutricionais, fortalecem as defesas e ajudam o organismo a suportar os golpes do inverno, de modo que só com ingerimos a partir frequentemente e tomar algumas medidas de cuidados podem evitar complicações.

Como evitar a irritação de garganta com alimentação?

Se ainda não tiver sido vítima do clima ou as bebidas muito frias, é um bom momento para que você possa começar a estimular as defesas através da alimentação. Para isso, um dos recursos mais conhecidos e eficazes consiste em aumentar o consumo de vitamina C, que pode ser encontrado de maneira abundante em frutas e vegetais, tais como limão, lima, laranja, tangerina, uva, goiaba, morango, kiwi, pimentão verde, brócolis e couve.

Outros nutrientes que podem ajudar a prevenir infecções de garganta, já que agem em favor do sistema imunológico, são o selênio e o zinco, minerais presentes no ovo, cereais, legumes, queijo, frutos secos, vísceras, carnes brancas, peixes e frutos do mar.

Menção à parte merecem os lactobacilos (microorganismos benéficos) presentes no leite e alguns de seus derivados (iogurte, queijo e jocoque), já que também exercem efeito favorável sobre o sistema imune. Também são capazes de equilibrar a flora intestinal, favorecendo a boa digestão (com o que se absorvem nutrientes de que necessita o organismo para aumentar a sua proteção).

Para evitar a ocorrência de problemas respiratórios, é conveniente consumir menos farinhas e petiscos e ingerir mais frutas, legumes, lácteos e alimentos leves.

Quando inicia o formigamento na garganta…

Se te expuseste a mudanças bruscas de temperatura e, por isso, despertaste com leve irritação de garganta, é muito provável que o seu problema desapareça rapidamente e sem necessidade de medicamentos. Basta descansar um pouco e seguir estas dicas:

  • Tomar várias vezes ao dia um copo de água morna com suco de limão (rico em vitamina C) e uma colher de chá de mel (elimina dores e tosse), ou um copo de leite quente com mel. Embora, ao ingerir essas bebidas pode sentir algum ardor, em pouco tempo, você sentirá como o mal da garganta diminui.
  • Faça gargarejo várias vezes ao dia com água morna com sal (misturar meia colher de chá de sal em um copo de água).
  • Você come cebola ou alho, já que estes vegetais contêm compostos com enxofre (a eles se deve o seu forte aroma) que tem ação expectorante e mucolítica, ou seja, facilitam a eliminação de muco das vias respiratórias. O efeito dessas substâncias é maior quando esses alimentos são encontrados em estado bruto.
  • Consome abóbora, aipo, batata, figo, amêndoa, babosa, manjericão e sementes de linhaça, pois são produtos ricos em produtos mucilaginosos, elementos com ação emoliente (suavizante) sobre as mucosas (tecido macio e úmido que cobre o interior da boca, nariz e garganta), que atuam em favor do sistema respiratório.
  • Chupa (não mastiques) rebuçados ou pastilhas para a garganta, a fim de refrescarla e aumentar a produção de saliva. Este recurso não deve ser aplicada em crianças pequenas ou bebês, já que estão em risco de sofrer afogamento.
  • Por estranho que pareça, algumas pessoas comentam que tomar líquido gelado ajuda a diminuir a irritação de garganta leve. Só até certo ponto têm razão: as bebidas geladas são aconselháveis apenas quando não há espirros, congestão nasal, corpo cortado ou outros sintomas de constipação em andamento e também não devem conter álcool.

Infecção ou resfriado declarados

Quando as dores de garganta passam a ser simples aperto na garganta , um frio declarado ou tosse frequente, o consumo de água é fundamental (pelo menos, oito copos por dia), pois este líquido fortalece as mucosas, faz com que as mucosidades sejam mais leves, evita desidratação em caso de febre e permite a eliminação de toxinas.

Outra opção é tomar infusões ou chás de plantas, como eucalipto, flor de bugambilia ou gordolobo, as mesmas que, além disso, possuem propriedades benéficas para as vias respiratórias. Também é ideal o consumo de sopa ou canja quente para ingerir vegetais e a quantidade necessária de água.

As bebidas alcoólicas ou com cafeína podem causar desidratação, por isso recomenda-se não levá-los em tais casos.

Além disso, manter uma dieta leve, à base de alimentos nutritivos que podem contribuir para melhorar o mal-estar geral e a compensar a perda de apetite que chega a ocorrer. Deve ser variada e rica em alimentos que estimulam a função imunológica.

Recomenda-Se de novo o consumo de vitamina C, além de produtos que contenham minerais como zinco e selênio. Devem preparar-se em forma simples, para que sejam fáceis de digerir, o que se consegue ao cozinhá-los com pouca gordura e por meio de técnicas como cozido, cozido no vapor ou grelhado.

Lembramos que o controle das infecções respiratórias, que não só se consegue com uma boa alimentação, mas é necessário levar a cabo outras medidas, como descansar adequadamente e não exponerte a mudanças bruscas de temperatura.

Além disso, se o seu problema não melhora e, pelo contrário, apresenta temperatura muito elevada ou há suspeita de que a infecção progride, é necessário visitar o médico para realizar o diagnóstico e lhe prescreva o tratamento mais adequado.