Dr. Saúde e Bem Estar

Portal sobre a vida

7 dicas para aprender qualquer idioma

Harmonia – 6 dezembro, 2016CompartirFacebookTwitter

Saber mais de um idioma tem múltiplos benefícios para o cérebro e para a interação que podemos fazer com as pessoas do mundo. Além disso, quanto mais idiomas conhecemos, maior é o universo de informações a que temos acesso, seja por novas amizades de diferentes regiões, por leituras variadas que possamos encontrar, por filmes que podemos ver sem necessidade de legendas e um longo etc.

A questão é que com o passar do tempo começa a ser um pouco mais complicado de aprender outro idioma. Isso ocorre porque a plasticidade do cérebro da criança começa a reduzir-se com os anos. No entanto, não há que desanimar, pois durante toda a nossa vida, o cérebro continua a ter uma certa plasticidade que lhe permite aprender o que seja! Se você estiver interessado em aprender um novo idioma, não perca estas dicas para fazê-lo por tradutores profissionais.

  1. Entre em ação

Começa por definir o idioma que quer aprender e começar a conhecer as suas palavras. Em seguida, investiga-se pouco a pouco sobre a sua gramática. Seja realista com suas metas e tempos para aprender o idioma, para que não desanime no caminho.

  1. Faça parte da sua vida

Quando você estiver estudando um novo idioma lê literatura sobre ele, ver filmes nele, conversou nele e envolve algum aspecto de sua vida, para que não deixe de praticá-lo, mas que ele faça parte de sua rotina.

Lee: 3 formas de ser um turista com consciência ecológica

  1. Mantenha-o presente

Digite o nome de seus produtos de cozinha nesse idioma que você está aprendendo, você pode configurar o celular nesse idioma, e encontra qualquer forma possível de se ter presente o que está aprendendo. Quando uma língua se adapta ao seu cotidiano, é mais fácil de aprender.

  1. Aproveite todos os meios

Utiliza todas as oportunidades que a internet oferece em benefício de sua aprendizagem. Sites como Anki e Duolingo podem te ajudar a estudar o idioma que você está aprendendo.

  1. – Seus motivos

Quando desanime por todas as dificuldades que possa ter sobre o processo para aprender um novo idioma, lembre-se seus motivos. Pense em tudo o que você gostaria de alcançar ao aprender esse idioma, e segue com seu propósito. Por exemplo, imagine conhecer todos estes 15 lugares que você pode viajar sem gastar muito dinheiro.

  1. Pratique com falantes nativos

Se você tem a oportunidade, junto com os falantes nativos desse idioma que você quer aprender. Ao falar com eles e ouvir suas respostas você vai aprimorar de forma natural os detalhes da gramática de uma língua como ordem correta de suas orações, ou algumas mudanças no significado das palavras. Isso também pode encontrar em linha. E se você é introvertido e se é difícil se relacionar com as pessoas, talvez você queira saber 5 belos destinos que são perfeitos para os introvertidos.

  1. Não se preocupe se cometer erros

Lembre-se que aprender um idioma é, como qualquer outro objetivo na vida, um processo. Alguns dias você vai se sentir mais confortável com seus avanços do que outros, mas sempre vais avançando mais e mais.

Continua com 6 benefícios surpreendentes de falar mais de um idioma

Fonte: TED-Ed

Você gostou desta nota? Califícala

1 Estrela2 Stars3 Stars4 Estrelas5 Stars (17 votos, average: 4.47 out of 5)
Loading…

Afrodisíacos, peixes e frutos do mar para aumentar o desejo sexual

Quinta-feira, 20 de abril de 2017, 10:40 am, última atualização.

Uma mesa preparada para dois, luz de velas, vinho e um delicioso prato a base de peixe e frutos do mar representam magnífico preâmbulo para um encontro romântico, pois existe a crença generalizada de que estes alimentos marinhos são afrodisíacos naturais, será que é verdade? Descubra se é verdade que são ideais para acompanhar um encontro sexual inesquecível.

Os alimentos fornecem a energia necessária para que funcione o corpo, e nutrientes, e livra-nos de doenças. Ao cozinhar, em geral, escolhemos os primeiros que vêm à cabeça quando sentimos fome, mas também temos de selecioná-los pelo motivo oposto, ou seja, procuramos que estimulam nosso apetite… o sexual!

É claro que nos referimos aos afrodisíacos, aqueles que se consomem com o declarado propósito de despertar ou aumentar o desejo sexual. Entre eles encontram-se peixes e frutos do mar, cujas virtudes em uma dieta habitual estão demonstradas, enquanto sua relação com uma experiência agradável na cama continua a ser tema de análise científica.

Proteína e algo mais…

As inúmeras espécies de peixe que são comercializados no México, as diferentes possibilidades gastronômicas, juntamente com suas características nutritivas, fazem deste alimento indispensável na dieta de pessoas de todas as idades, na infância, adolescência, gravidez, amamentação, idade adulta e velhice.

O conteúdo protéico em peixes e frutos do mar oscila entre 15 e 20%, se bem que os peixes (atum, sardinha e salmão, por exemplo) e crustáceos (camarão, caranguejo ou lagosta) superam 20%; além disso, são considerados de alto valor nutritivo, pois contêm todos os aminoácidos essenciais que o organismo requer em quantidade e proporção adequadas. Além disso, essas proteínas passam rapidamente para o sangue, o que ajuda no funcionamento hormonal.

Mas isso não é tudo, o seu aporte de minerais também é relevante: fósforo, que ajuda a digerir proteínas, gorduras e hidratos de carbono, e ao adequado funcionamento do sistema nervoso; iodo, essencial para o bom desempenho da tireoide (glândula que se encarrega de criar hormônios que atuam em praticamente todas as funções do organismo); zinco, cuja falta se relaciona regularmente com problemas de disfunção erétil e de próstata.

Esta riqueza mineral tem levado muitos a supor que esses alimentos podem reforçar ou estimular a função ou o desejo sexual. Por exemplo, alguns estudos apontam que a suplementação de zinco (presente na síntese de esperma, fluido seminal e testosterona) representou uma melhoria da força, a libido e a frequência dos encontros íntimos em homens com problemas renais.

A realidade, entretanto, mostra que a relação entre alimentos e libido permanece mais psicológica do que fisiológica. Os nutrientes que recebemos de peixes e frutos do mar, evidentemente, beneficiam a saúde, mas seu efeito sobre a libido depende muito da nossa vontade, isto é, de querer que assim aconteça, por isso mentalmente, devemos preparar-nos para isso.

Frutos do mar e romance, boa combinação

Existem mais razões por que você deve consumir esses alimentos marinhos:

  • Fáceis de digerir. Pode ainda deleitar-se com os “frutos do mar” durante o jantar, após um encontro íntimo, sem medo de sofrer indigestão ou desconforto no estômago no momento mais inoportuno.
  • Imagem atraente. As suas proteínas fornecem aminoácidos necessários para o desenvolvimento e crescimento do corpo, isto é, para manter essa imagem que atrai e seduz seu parceiro, sem esquecer que fornece energia suficiente para uma sessão de carícias íntimas tão prolongada que provoque faíscas!
  • Excitação. Eles contêm ácidos gordos Ómega 3, em abundância, os quais favorecem o fluxo sanguíneo e oferecem importantes benefícios em todo o encontro sexual. Qual a razão? Durante a excitação, aumenta a quantidade de sangue que flui para a área genital, permitindo a ereção nos homens, e dilatação do clitóris, congestionamento das paredes da vagina, bem como a adequada lubrificação na mulher.
  • Sem inibições. A água é o elemento mais abundante na composição de peixes e frutos do mar, por isso a sua relação é inversa à quantidade de gordura (a maior conteúdo daquela, menos gordura e vice-versa). Graças a este nível calórico relativamente baixo, você pode consumi-los com a frequência que quiser, o que te mantém em forma para aproveitar ao máximo qualquer encontro sexual livre de inibições.

Agora já sabe, alimentarte bem também pode producirte o prazer na cama!

Afrodisíacos, como funcionam os estimulantes do desejo sexual?

Quarta-feira, 21 de junho de 2017, 07:34 pm, última atualizaçãoAfrodisíacos para desfrutar do sexo, Estimulantes do desejo sexual

O ser humano está sempre interessado desde há séculos por encontrar maneiras diferentes de desfrutar do sexo. Uma seção especial merecem os produtos para despertar esse instinto selvagem que nos leva a ter um encontro inesquecível. Como funcionam os afrodisíacos?

Como Estimulantes da libido?

As substâncias que aumentam a capacidade de estimular o desejo sexual são chamados afrodisíacos, palavra que deriva do nome da deusa grega do amor e dos prazeres derivados dele, Aphroditeé. O sucesso destes produtos é que, por suas propriedades, podem ajudar a que o encontro íntimo com o parceiro seja prolongada e agradável, embora, por vezes, os resultados diferem do esperado.

Os problemas podem se iniciar a partir do momento em que se recorre a eles antes de ir a um médico para buscar solução para problemas de casal em relação com a sexualidade. Os psiquiatras reconhecem que os homens procuram que os afrodisíacos acabem com disfunção erétil ou ejaculação precoce de forma simples, rápida e sem maiores complicações, com substâncias supostamente maravilhosas.

A indústria farmacêutica oferece produtos que ajudam o homem a superar os problemas que foram relatadas. No entanto, a ignorância e a desinformação fazem com que muitas pessoas pensem que são medicamentos mágicos, quando, na verdade, têm instruções precisas. É o caso do popular Viagra, que não é um afrodisíaco, mas uma terapia que está indicada especificamente para solucionar problemas de disfunção erétil.

Outros produtos processados quimicamente, que também são indicados para resolver antes da chamada impotência sexual podem causar lesões graves ou reações adversas, como inflamação, alergia, infecções, insuficiência cardiorrespiratorio, aumento ou diminuição bruscas da pressão arterial, vômito, tontura, dor de cabeça, enjoo e outros sintomas.

Estas substâncias são projetadas para aliviar doenças específicas, de forma que, se administrado a alguém que não precisa, geram problemas como os acima referidos.

Não tem faltado quem considere que o potencial sexual reside em hormônios, e que ingerir uma dose generosa produziria um efeito estimulante. Os avanços da ciência tem comprovado que não é assim, e que só funcionam dessa maneira, as pessoas com deficiências hormonais, mas naqueles em que os níveis são normais, o que pode gerar outras complicações, como aparecimento anormal de pêlos, dores no peito e problemas cardiovasculares em mulheres, enquanto que nos homens é comum a queda de cabelo e problemas de coração, entre outros.

Disfarçados de estimulantes, drogas, cigarro e álcool cumprem um efeito relaxante e desinhibidor que confunde os consumidores, com a desvantagem que podem ser viciantes, e se consumidos em excesso desenvolvem doenças graves.

Produtos naturais que aumentam o desejo sexual

Não existe nenhuma substância milagrosa, mas, ao longo da história o homem foi verificado que existem produtos de origem natural que, na realidade, têm efeito estimulante da libido. Nesta lista podemos citar plantas como mandrágora, ioimbina, guaraná, gengibre, ginseng, manjericão ou damiana e os derivados de todas elas, assim como noz-moscada, frutas exóticas (maracujá), azeite, frutos do mar e trufas, entre outros, que têm efeitos recomendáveis se você não se consumidos em excesso. Existem mitos em torno da ingestão de ovos de caguama, ou pó de chifre de rinoceronte e asas de mosca espanhola, mas não deixam de ser isso, mitos, e muito caros.

O certo é que as vitaminas A, D, E, B, minerais como zinco, lítio, potássio, fósforo, cálcio e ferro fortalecem a constituição física e o desejo sexual, mesmo efeito de algumas bebidas alcoólicas, como o chamado licor de amor, tequila, pulque, strega e outros mais excêntricos.

No entanto, a grande verdade é que o órgão sexual mais importante do corpo é o cérebro, e não dos órgãos genitais, como se poderia pensar. Se um indivíduo desenvolve a capacidade de estimular o cérebro do seu parceiro conseguirá experiências únicas. Para isso, é de vital importância a comunicação não-verbal, e onde domine o sensorial sobre o racional.

Alimentação, importante aliada na terapia homeopática

 


Muitas doenças encontram sua origem ou parte dele em maus hábitos nutricionais; por isso, a Homeopatia sugere que, para obter um tratamento bem sucedido, é necessário lançar mão do chamado regime adjuvante, que consiste em corrigir defeitos na dieta do indivíduo.


A Nutrição tem importância fundamental no nosso estado de saúde, tanto do ponto de vista preventivo como de cura e de melhoria da qualidade de vida. Se bem que é algo conhecido de outros tempos, a realidade nos mostra que a alimentação é cada vez mais desequilibrada.


Alimentação, importante aliada na terapia homeopática


Ainda, estima-se que 75% das mortes no México e em países desenvolvidos estão associados a doenças cardiovasculares (do sistema circulatório), diabetes mellitus (aumento da concentração de glicose no sangue, devido à incapacidade do organismo em aproveitá-la) e cancro, doenças que têm entre suas principais causas inadequado estilo de vida.


Neste contexto, a dieta desempenha relevante papel, pois a cada dia aumenta o consumo de gorduras, carnes vermelhas, farinhas refinadas, açúcares simples e guloseimas, o que dá lugar a obesidade, hiperlipidemia (aumento de gordura no sangue) e distúrbios metabólicos.


“Samuel Hahnemann, pai da Homeopatia, estabeleceu que a doença é conseqüência da energia vital afetada e, desde então, tal perturbação está intimamente ligada com o que comemos”, refere o Dr. Humberto Cota Gomez, especialista em Otorrinolaringologia e Homeopatia dedicado à prática privada.


Pela boca morre o peixe


Hábitos de vida, turnos de trabalho prolongados, pouco tempo disponível para comer e incorporação da mulher ao mercado de trabalho, entre outros fatores, estão modificando a forma de nos alimentar. A ingestão de alimentos tradicionais diminuiu no México e, ao mesmo tempo, ganharam terreno dos produtos “sucata“. Se a isto se soma a redução da atividade física, entenderemos por que foram aumentando as doenças crônico-degenerativas.


“Com frequência, os pacientes referem em torno de certos alimentos as seguintes frases: ‘eu sei que não é bom, mas eu gosto” ou “eu já estou acostumado a comer dessa forma’. O anterior deixa ao descoberto que a saúde está menos cotado que o ‘gosto’ ou ‘costume’, o que se tem agudizado pela presença de numerosos estabelecimentos de comida rápida, cuja mensagem publicitária se resume em ‘come gostoso e desfrute imediatamente'”, adverte o especialista.


Neste contexto, destaca-se a explicação de Samuel Hahnemann, em seu Tratado das doenças crônicas, que refere, entre outras coisas, que o bom médico deve reconhecer e remover os obstáculos para a cura. E, com efeito, um dos principais problemas é a má alimentação.


Há que se destacar que na luta diária contra a balança costumam cometer erros nutricionais, pois a maioria dos programas de perda de peso que se promovem em diferentes meios de comunicação prometem resultados imediatos, e nunca consideram-se determinado método é adequado para quem vai usá-lo.


Em consulta


“A Homeopatia sempre tem que ver o paciente como um todo, estudando os sintomas para observar o quadro completo e medicar com sabedoria, mas, além disso, é indispensável saber de Nutrição”, indica o Dr. Cota Gómez.


Acrescenta que a visão de Samuel Hahnemann era ampla e sábia quando aconselhava os médicos de sua época, do que dar importância a coisas que nunca antes haviam considerado, como dietas, alimentos benéficos e adversos, efeitos dos alimentos sobre os tratamentos homeopáticos e conseqüências do comportamento alimentar dos pacientes.


Além disso, neste sentido, é importante reconhecer que a Nutrição oferece grande ajuda em todo tratamento, pois ao seguir uma dieta equilibrada e otimiza-se o tratamento homeopático e, ao mesmo tempo, evita que o paciente recaia.


Para estar saudável


Como podemos ver, a base para manter a boa saúde é, sem dúvida, a dieta equilibrada, juntamente com rotinas de exercício, descanso adequado, assim como a higiene física e ambiental. Em geral se esquece ou se subestima que, na maioria dos casos, uma alimentação completa permite que o paciente se recupere mais rápido e que os medicamentos homeopáticos cumprem seu papel de forma mais eficaz.


“Se curar por meio da dieta é algo que todo mundo sonha, a realidade nos mostra que é mais difícil de modificar os pacientes, já que os distúrbios alimentares são provenientes de maus costumes que se aprendeu na infância e foram favorecidas pelos adultos. Por isso, é necessário trabalhar este aspecto com o paciente, proporcionando educação nutricional”, encerrou o homeopata.


O anterior, de acordo com o Dr. Cota Gómez, deve ser enfocado sob dois pontos de vista:



  • Prevenção. Baseia-Se nos resultados de todos os estudos científicos que comprovam as propriedades nutricionais e terapêuticas dos alimentos, componentes necessários para viver de forma saudável e as quantidades diárias que devem ser consumidas de acordo com idade, estado de saúde, sexo e estilo de vida.

  • A cura. Consiste na correção de hábitos alimentares, uma vez que as pessoas experimentam alguma tristeza.

É importante ter presente que a Homeopatia nunca concentra as doenças ou desequilíbrios como problemas isolados, por isso sempre tenta fazer, além de tomar a medicação adequada e praticar a higiene necessária, o paciente assuma corretamente a sua necessária participação ativa no processo de cura por meio de incorporações, retiradas ou substituições de alimentos.


As opiniões expressas neste artigo não refletem necessariamente o ponto de vista da Associação Nacional da Indústria Farmacêutica Homeopática, A.C. (Anifhom).

Alimentação, fator de risco para desenvolver câncer de mama

De acordo com recentes pesquisas, cerca de 30% dos cânceres estão associados ao estilo de vida, em especial ao consumo de tabaco e álcool, assim como a alimentação. Este último fator chama poderosamente a atenção, pois considera-se que 7 em cada 10 mexicanas são obesas, em outras palavras, candidatas à doença letal.


O principal fator para desenvolver câncer, e perante o qual o afetado pouco pode fazer, é o fato de que algum familiar tenha sofrido esta doença. No entanto, particularmente na mulher existem outros fatores que também podem influenciar o seu aparecimento, como a idade (superar os 55 anos), exposição a radiações, e o uso de contraceptivos orais. Sendo ainda mais específico, o câncer de mama pode ser influenciado também pelo número de gravidezes e a idade em que se tem a primeira menstruação (menarquía) e/ou a última (menopausa), pois em ambos os casos, quanto mais jovem, maior o risco.


Câncer de mama


No início do texto, fez-se menção de que álcool e tabaco são igualmente agentes de risco, sendo ambos viáveis de controle; não obstante, nesta ocasião faremos ênfase outro fator controlável: as dietas ricas em gordura que causam a obesidade. Neste sentido, o Dr. Victor Lira Porto, chefe de Oncologia do Centro Médico Nacional, Século XXI, afirma que “no México, a alimentação em geral é rica em gordura, o que motiva o aumento de peso corporal e a quantidade de estrogénios (hormonas femininas) no sangue, o que aumenta o risco de padecer de cancro da mama em mulheres, principalmente após a menopausa.


“Sabe-Se, por exemplo, que em países como o Japão, onde a alimentação é rica em fibras e peixes, os índices de câncer de mama são muito baixos, enquanto que na Alemanha as estatísticas aumentam consideravelmente porque o consumo de carne e gorduras é elevado”, acrescenta o especialista em câncer.


Os estudos a respeito datam de várias décadas, mas alguém recentemente realizado na Unidade de Nutrição de Cambridge (Inglaterra) indica que as mulheres que seguem uma dieta com um teor excessivo de gorduras, em especial as chamadas saturadas (presentes sobretudo na manteiga, laticínios integrais, carnes e alguns biscoitos e bolos) têm maior risco de desenvolver câncer de mama do que aquelas que não as consomem, tal como o deu a conhecer a vice-diretora da instituição Sheila Bingham.


Medidas preventivas


Como mencionou o Dr. Lira Porto, o segredo do baixo número de casos de câncer de mama em mulheres orientais reside na alimentação, na qual se baseia, principalmente, na incorporação de fitoestrógenos, substâncias obtidas do reino vegetal e que, ao consumir-se realizadas no corpo feminino, as funções de estrogênio.


Graças a eles, há baixos níveis de colesterol e triglicérides (tipo de gordura que afeta a saúde do organismo), devido aos seus princípios ativos chamados de isoflavonas, linhanos, coumastinas e lactonas do ácido resorcíclico, os quais, além disso, protegem contra micróbios, possíveis inflamações e desenvolvimento de osteoporose. Os fitoestrógenos são consumidos através de:



  • Soja. Leguminosa originária da China e trazida para o ocidente desde o início do século XX. É constituída por 38% de proteínas, que por sua vez engloba todos os aminoácidos de que precisa o ser humano, ou seja, os chamados essenciais (fenilalanina, isoleucina, leucina, lisina, metionina, threonina, tryptophano e valina, entre outros). Além disso, é um alimento rico em vitaminas, especialmente do complexo B, a vitamina B1 (tiamina), B2 (riboflavina), B3 (niacina), assim como de ácido fólico e minerais como cálcio, ferro e fósforo. Sabe-Se que tem propriedades antioxidantes, ou seja, evitam o envelhecimento acelerado das células. Aconselha-Se consumir 34 mg ou mais de planta inteira de soja em duas doses diárias, preferencialmente pela manhã e à tarde, pois desta forma, você reduz o colesterol é chamado mau.

  • Tofu. Derivado da soja, cujas sementes são colocadas de molho para depois cozedura; o líquido obtido é chamado de leite de soja, e após receber um coagulante natural (geralmente vinagre de maçã ou suco de limão) dá origem a um “requeijão”, que recebe o nome de tofu, o qual pode ser consumida de várias formas, entre elas na ração, patê ou salsichas. Além de aliviar o desconforto do climatério, que previne a descalcificação de ossos e o acúmulo de gordura nas artérias, o que afasta infartos e câncer.

  • Cimicifuga racemosa. Planta originária do oriente e da qual se aproveita medicinalmente o caule, onde se localizam glicosídeos triterpénicos e isoflavonas, cujo mecanismo de ação interage de forma eficiente com os receptores de estrógeno. Foi verificado que fortalece ossos e artérias, e reduz as quantidades de colesterol no sangue; é comercializado na forma de comprimidos revestidos de 20 g e é comum que seja prescrita pelo médico como complemento de um tratamento hormonal.

Agora, o outro segredo oriental está no consumo de fibra vegetal, a qual é formada por um conjunto heterogêneo de componentes: celulose, hemiceluloses, pectina, gomas e ligninas, cujas principais ações são atrasar o esvaziamento gástrico, reduzindo a velocidade de absorção de glicose e do colesterol dos alimentos, além de diminuir o tempo de trânsito intestinal e aumentar o volume das fezes e a frequência de evacuação.


Os especialistas em nutrição recomendam ingerir entre 20 e 30 g por dia de alimentos ricos em fibras, entre os quais podem ser mencionados: farinhas integrais (para fazer pão e massas), aveia, lentilhas, amêndoas, milho, grão-de-bico, ervilha, casca de batata, cenoura, abóbora, espargos, brócolos, repolho, couve-flor, alface, goiaba, manga, figo, ameixa, pêra e maçã com casca, mamão, uvas passas, limão, laranja e toranja.


Renovação celular


Fatores como a poluição, determinados produtos químicos de uso doméstico, certos medicamentos, tabaco, raios-X e pesticidas são geradores dos chamados radicais livres, compostos que aceleram o envelhecimento celular , que pode resultar em problemas graves de saúde, como câncer.


Para prevenir a produção descontrolada de radicais livres, o organismo conta com um sistema de controle, ou seja, cria os chamados antioxidantes, mas, infelizmente, a quantidade gerada, não é sempre suficiente para neutralizar sua ação. No entanto, através do consumo de determinados alimentos, incrementaremos a quantidade destes nutrientes, entre os quais devemos destacar:



  • Vitamina A. Também é chamado de retinol (quando se obtém de alimentos de origem animal) ou beta-caroteno (se for o caso de frutas e vegetais). De forma natural se encontra no fígado, peixe gordo, gema de ovo, leite, queijo, manteiga, cenoura, espinafre, damasco, brócolis, pêra, laranja, couve de bruxelas, manga, pêssego e maçã.

  • A Vitamina C É conhecida como ácido ascórbico, que é necessária para produzir colágeno, metabolizar as gorduras, cicatrizar feridas e fortalecer as defesas do organismo. Pode ser encontrado no tomate verde, melão, couve de bruxelas, couve-flor, groselhas, goiaba, morango, kiwi, laranja, toranja e limão, principalmente.

  • Vitamina E. Também é conhecida como tocoferol, e existe em quatro tipos: alfa, beta, gama e delta. Está contida no abacate, brócolis, ameixa, espinafre, aspargos, maçã, banana e cenoura. Sua deficiência pode causar a destruição de células e glóbulos vermelhos do sangue, anemia, envelhecimento precoce e distúrbios da reprodução.

  • Selênio. Mineral com a capacidade de prevenir o envelhecimento precoce e câncer. Os alimentos que contêm são: carne, peixe, leite, germe e farelo de trigo, cebola, alho, tomate verde, brócolis e levedura de cerveja.

  • Ácido fólico. Também é conhecido como vitamina B9 e em combinação com a vitamina B12 (de forma natural encontra-se em leite, queijo, ovo, fígado, feijão, peixe e carne) participa na construção do ADN (ácido desoxirribonucleico, proteína que recolhe o material genético e regula o metabolismo de células), bem como na formação e maturação de glóbulos vermelhos (elementos contidos no sangue responsáveis pelo transporte de oxigênio para todo o organismo); de forma natural é encontrado em vegetais verdes, cogumelos, fígado, laranja, nozes, legumes, gema de ovo e cereais enriquecidos. Durante a gravidez, recomenda-se que o consumo de ácido fólico pode aumentar e perdure três meses depois do parto, através de suplementos vitamínicos e suplementos alimentares.

Gorduras e mais gorduras


O oncologista Lira Porto é categórico ao afirmar que 1 em cada 8 mulheres mexicanas é propensa a desenvolver câncer de mama, aumentando consideravelmente as chances que sofrem com excesso de peso.


“Os obesos são mais vulneráveis a sofrer de câncer com o consumo de gorduras saturadas. Por isso, mais vale conhecer os elementos que podem ajudar a prevenir este mal, e lembrar que, por si mesmo, nenhum alimento gera a doença mortal”, acrescenta o entrevistado.


Para diminuir a quantidade de gordura é recomendável modificar os hábitos alimentares. Por exemplo, teria que reduzir o consumo de manteiga, carne vermelha e gorduras animais, substituindo-as por carne magra (sem gordura), peixe, frango sem pele, leite e derivados lácteos descremados. Na hora de cozinhar, prefira os alimentos cozidos, assados e cozidos ao vapor, e usar óleo de oliva, já que estes alimentos parecem ter efeitos preventivos contra o câncer. Lembre-se aumentar a ingestão de fibra dietética, limitar o consumo de açúcar, sal, álcool e tabaco, principalmente.


Finalmente, o Dr. Lira Porto informa que estudos realizados em mulheres atletas, comprovaram que a quantidade de estrogênio em seu corpo é menor com relação às outras que levam uma vida sedentária. De tal forma, uma alimentação baixa em gorduras e a prática de exercício físico melhora a qualidade de vida e colaboram na diminuição dos riscos de desenvolver câncer. “No entanto, se o problema é detectado antes que o tumor alcance 1 cm, pode extirparse e, assim, se livrar do problema”.

Jóias, artigos de casa de uma dieta saudável

Segunda-feira, 24 de outubro de 2016, 12:54 pm, última atualizaçãoMolhos para saladas, Molhos para refeições frescas

A temporada de calor convida a saborear refeições frescos, nutritivos e que deleiten ao paladar, fazendo com que as saladas são um dos pratos mais recorrentes. Para que seu sabor seja único e inovador, dá-lhes um toque especial com o molho ou tempero para escolher. Quer conhecer algumas?

Conta a história que o homem pré-histórico para saciar seu apetite se alimentava de raízes, frutos e folhas de árvores, até que projetou armas com que possa matar animais para comê-los, e se esqueceu de sabores e benefícios do reino vegetal.

Seria até o auge do império romano, que retomou o gosto por legumes crus, as quais eram contadas com recurso a uma solução de água e sal, e graças ao qual os convidados se serviam para melhor digerir depois de seus famosos e grandes banquetes gourmet complementados.

Já no século XVIII, começou a popularizar-se em todo o mundo o hábito de comersaladas, as que se preparavam em base a couve, aipo, espinafre e agrião, entre outros vegetais, temperados com azeite, vinagre, sal e pimenta.

Em nossos dias, praticamente qualquer pessoa pode preparar saladas, o segredo é saber combinar verduras frescas e levar a imaginação mais além para utilizar a variedade de molhos, também chamados de condimentos, que o mercado oferece.

De plug-ins e mais coisas

A gama de produtos com os quais você pode preparar um molho é infinita, pensa simplesmente em óleos, vinagres, ervas aromáticas, especiarias, leite, frutos secos, purês, xaropes ou essências, entre outros. Ora, se sabemos condizer os temperos adequados acentuaremos e enriqueceremos o sabor natural dos ingredientes do prato.

Nesta ocasião concentrar a atenção nos temperos mais usados na cozinha internacional e com os que você certamente já teve contato.

Óleos

Substância gordura vegetal extraído de frutos ou sementes de diversa procedência, sendo a mais popular, por saudável, o azeite de oliva, obtido a partir de azeitonas; e o seu sabor é levemente picante e aromático, por isso é muito cobiçado.

O classificado como extra virgem é obtido da azeitona de máxima qualidade, portanto, é o mais indicado para consumir; tem a cor amarelo-esverdeada e pode aromatizarse com ervas (manjericão, por exemplo) e especiarias (como tomilho) para complementar perfeitamente quase qualquer salada, sirva como ponto de mencionar que é base da famosa dieta do mediterrâneo.

O óleo de oliva foi comprovado cientificamente que se favorece a evacuação da bílis da vesícula, com o qual se dá um melhor aproveitamento das gorduras contidas em nossa alimentação. Seu consumo regular tem um efeito redutor sobre os níveis de colesterol no sangue, gerando baixas probabilidades de sofrer de doenças cardiovasculares.

Outros óleos indicados para acompanhar as saladas são os feitos com nozes, amêndoas, pistache, amendoim e avelã, entre outros, embora a novidade em produtos orientais é o do pimentão vermelho.

Vinagres

São obtidos a partir da fermentação de bebidas como vinho ou opiniões; a gama de sabores se estende desde o azedo até o suave e aromático. Seu nome vem do latim vinum acer (“vinho azedo”), e do processo químico para a sua produção é derivado de ácido acético por ação de microrganismos do grupo Acetobacter, e outros que contribuem para o aroma e sabor característico de cada tipo.

Em termos gerais, o organismo agradece o seu consumo, já que seus minerais e elementos residuais ajudam os processos de digestão e eliminação, são eficazes desintoxicantes e úteis agentes para purificar o sangue; além disso, contribui para devolver os sais minerais perdidos com o aparelho digestivo e colabora na destruição de bactérias, fungos e até mesmo parasitas intestinais. Da mesma forma, contraria os efeitos de dietas excedidas em açúcar e farinha refinados, que produzem prisão de ventre, obesidade e colesterol, e estabiliza os níveis de açúcar no sangue, cujas baixas são as responsáveis por ataques compulsivos de fome; por outro lado, oferece benefícios para a pele, pois atua refrescando queimaduras superficiais leves e inflamações locais. A forma de conselho, se quiser aumentar os efeitos benéficos indicados, tome um copo de água e uma colher de sopa de vinagre antes de cada refeição e de deitar.

Os vinagres mais populares são:

  • Vinagre de maçã. Considerado o mais saudável e indicado para todas as saladas; sua cor é dourado e sabor forte.
  • Vinagre de vinho branco. Para combinar com os pratos à base de peixe e em todas as saladas.
  • Vinagre de vinho tinto. De sabor suave, por isso é ideal para cozinhar carnes vermelhas e peixe.
  • Vinagre de jerez. É elaborado com essa bebida, o que lhe dá o sabor característico; acompanha muito bem saladas e legumes, além de carnes vermelhas.
  • Vinagre de ervas. Qualquer um dos três primeiros é possível adicionar especiarias a gosto, entre as quais você pode escolher funcho, gengibre, pimenta e mostarda, entre outras.
  • Vinagre balsâmico. Originário da Itália, é elaborado com base suco de uva; é escuro e ligeiramente adocicado.
  • Vinagre branco. Também chamado de destilado, pois se obtém esse processo químico a que se submete o álcool de cana; e o seu sabor é muito forte e indicado para acompanhar peixes.
  • Vinagrete. É usado em todas as saladas, e para elaborarla geralmente despeje sal e pimenta do reino a gosto num recipiente à parte, ou em uma vasilha, acrescenta-se uma porção de vinagre e mistura-se com o anterior; uma vez dissolvido, adicione óleo (três vezes mais que a quantidade de vinagre empregado) e mistura-se até que emulsione, ou seja, que perca a transparência e engrosse ligeiramente. Se o vinagre é balsâmico ou de jerez, recomenda-se reduzir a quantidade, pois o seu sabor é forte.

Outros molhos

  • Francês. Adicionar ao vinagrete básico uma colher de chá de açúcar ou mel e uma de mostarda. Perfeito para saladas de folha.
  • Iogurte. Mistura de iogurte natural com azeite, vinagre e umas folhas que estão de hortelã. Também pode ser preparado com metade do queijo fresco e metade do iogurte. Vai muito bem com saladas de pepino, batatas e saladas verdes em geral.
  • Maionese. Coloque no liquidificador o ovo, 200 mililitros de azeite, duas colheres de sopa de vinagre ou suco de limão, sal e uma ponta de mostarda. Serve tal qual ou aromatizado com salsa, o curry (especiaria originária da Índia, aromática e de sabor forte), molhos picantes ou catsup, entre outros. É adequada para todo o tipo de saladas, especialmente de cenouras e couve.
  • Cebolinha. Despeje na batedeira cebolas pequenas (tipo cambray) e salsa, em partes iguais, juntamente com o azeite, o vinagre e o que receber com a ponta dos três dedos de açúcar. Apropriado para saladas de folhas, de papas, em que intervenham frutos do mar ou peixes frescos ou defumados.

Verde que te quero verde

Apesar de falar dos benefícios que trazem à saúde legumes, vegetais, hortaliças e leguminosas seria motivo de extensa reportagem para cada uma, vale a pena mencionar de forma genérica as contribuições de alguns deles ao usá-las em saladas.

Em termos gerais pode-se dizer que os legumes o conteúdo de gordura é menor do que 1%, hidratos de carbono entre 2% e 7%, além de que todas trazem fibra, o que colabora significativamente para uma boa digestão. Além disso, estão contidas (exceto a D e B12, exclusivas dos alimentos de origem animal) praticamente todas as vitaminas.

Se você quer particularizar ainda mais, pode-se dizer que a cenoura contém beta-caroteno (se convertem em vitamina A e que ao entrar no organismo), enquanto que a couve e alface fornecem ácido fólico. Quanto aos minerais, alface, repolho e cenoura fornecem cálcio e potássio, embora pouco ferro.

Cabe mencionar que a principal base da salada é a alface em todas as suas apresentações, a qual contém, de acordo com os nutriólogos, propriedades refrescantes e vitaminas A, B, C, além de pequenas quantidades de E.

A alface é oriunda da Índia e se come desde tempos muito antigos; os hebreus, por exemplo, a consumiam por prescrição religiosa durante o tempo de Páscoa. Também se acreditava que aumentava a quantidade de leite materno em mulheres que amamentam, e até mesmo o recomendava como calmante ou para conciliar o sono, graças aos sais de magnésio, o que contém, que ajudam a regenerar as células nervosas.

Bem, o que se segue é um pouco de imaginação para combinar cores, texturas e sabores até obter a melhor salada junto ao mais requintado azeitona de mesa, você tem a última palavra!

Alimentos que aliviam a irritação da garganta

Quinta-feira 06 de abril de 2017, 04:09 pm, última atualizaçãoComo evitar a irritação de garganta com alimentação, Prevenção de infecções de garganta

Alguns produtos alimentares influenciam o nosso sistema respiratório muito mais do que imaginamos, e nesta temporada fria podem ser excelentes aliados para controlar formigamento e leve irritação da garganta, bem como tosse, expectoração, espirros e congestão nasal.

Garganta irritada por frio

As baixas temperaturas e os festejos decembrinos costumam ser combinação pouco favorável para as vias respiratóriase, por isso, é comum que nesta época do ano, se cadastre importante elevação de problemas como a garganta irritada e resfriado comum em pessoas de todas as idades.

Isso acontece porque o frio enfraquece o sistema de defesa do nosso organismo (imunológico) e porque nas noites de festa, tão freqüentes durante a temporada, é quando se ingerem mais bebidas com gelo e aumenta o consumo de cigarros (ou inalado a fumaça gerada por outras pessoas).

Assim, é comum experimentar sintomas como garganta irritada, congestão nasal e espirros ocasionais, os quais podem indicar o início de uma infecção ou resfriado, que é possível controlar para evitar seu avanço.

Em sua maioria, esses sofrimentos são causados por vírus, os quais não são eliminados com o uso de antibióticos, mas requerem atenção, pois a infecção pode progredir.

A prevenção e alívio de esse desconforto, é possível através de recursos eficazes e ao alcance de todos. Trata-Se de vários tipos de alimentos que, por suas propriedades nutricionais, fortalecem as defesas e ajudam o organismo a suportar os golpes do inverno, de modo que só com ingerimos a partir frequentemente e tomar algumas medidas de cuidados podem evitar complicações.

Como evitar a irritação de garganta com alimentação?

Se ainda não tiver sido vítima do clima ou as bebidas muito frias, é um bom momento para que você possa começar a estimular as defesas através da alimentação. Para isso, um dos recursos mais conhecidos e eficazes consiste em aumentar o consumo de vitamina C, que pode ser encontrado de maneira abundante em frutas e vegetais, tais como limão, lima, laranja, tangerina, uva, goiaba, morango, kiwi, pimentão verde, brócolis e couve.

Outros nutrientes que podem ajudar a prevenir infecções de garganta, já que agem em favor do sistema imunológico, são o selênio e o zinco, minerais presentes no ovo, cereais, legumes, queijo, frutos secos, vísceras, carnes brancas, peixes e frutos do mar.

Menção à parte merecem os lactobacilos (microorganismos benéficos) presentes no leite e alguns de seus derivados (iogurte, queijo e jocoque), já que também exercem efeito favorável sobre o sistema imune. Também são capazes de equilibrar a flora intestinal, favorecendo a boa digestão (com o que se absorvem nutrientes de que necessita o organismo para aumentar a sua proteção).

Para evitar a ocorrência de problemas respiratórios, é conveniente consumir menos farinhas e petiscos e ingerir mais frutas, legumes, lácteos e alimentos leves.

Quando inicia o formigamento na garganta…

Se te expuseste a mudanças bruscas de temperatura e, por isso, despertaste com leve irritação de garganta, é muito provável que o seu problema desapareça rapidamente e sem necessidade de medicamentos. Basta descansar um pouco e seguir estas dicas:

  • Tomar várias vezes ao dia um copo de água morna com suco de limão (rico em vitamina C) e uma colher de chá de mel (elimina dores e tosse), ou um copo de leite quente com mel. Embora, ao ingerir essas bebidas pode sentir algum ardor, em pouco tempo, você sentirá como o mal da garganta diminui.
  • Faça gargarejo várias vezes ao dia com água morna com sal (misturar meia colher de chá de sal em um copo de água).
  • Você come cebola ou alho, já que estes vegetais contêm compostos com enxofre (a eles se deve o seu forte aroma) que tem ação expectorante e mucolítica, ou seja, facilitam a eliminação de muco das vias respiratórias. O efeito dessas substâncias é maior quando esses alimentos são encontrados em estado bruto.
  • Consome abóbora, aipo, batata, figo, amêndoa, babosa, manjericão e sementes de linhaça, pois são produtos ricos em produtos mucilaginosos, elementos com ação emoliente (suavizante) sobre as mucosas (tecido macio e úmido que cobre o interior da boca, nariz e garganta), que atuam em favor do sistema respiratório.
  • Chupa (não mastiques) rebuçados ou pastilhas para a garganta, a fim de refrescarla e aumentar a produção de saliva. Este recurso não deve ser aplicada em crianças pequenas ou bebês, já que estão em risco de sofrer afogamento.
  • Por estranho que pareça, algumas pessoas comentam que tomar líquido gelado ajuda a diminuir a irritação de garganta leve. Só até certo ponto têm razão: as bebidas geladas são aconselháveis apenas quando não há espirros, congestão nasal, corpo cortado ou outros sintomas de constipação em andamento e também não devem conter álcool.

Infecção ou resfriado declarados

Quando as dores de garganta passam a ser simples aperto na garganta , um frio declarado ou tosse frequente, o consumo de água é fundamental (pelo menos, oito copos por dia), pois este líquido fortalece as mucosas, faz com que as mucosidades sejam mais leves, evita desidratação em caso de febre e permite a eliminação de toxinas.

Outra opção é tomar infusões ou chás de plantas, como eucalipto, flor de bugambilia ou gordolobo, as mesmas que, além disso, possuem propriedades benéficas para as vias respiratórias. Também é ideal o consumo de sopa ou canja quente para ingerir vegetais e a quantidade necessária de água.

As bebidas alcoólicas ou com cafeína podem causar desidratação, por isso recomenda-se não levá-los em tais casos.

Além disso, manter uma dieta leve, à base de alimentos nutritivos que podem contribuir para melhorar o mal-estar geral e a compensar a perda de apetite que chega a ocorrer. Deve ser variada e rica em alimentos que estimulam a função imunológica.

Recomenda-Se de novo o consumo de vitamina C, além de produtos que contenham minerais como zinco e selênio. Devem preparar-se em forma simples, para que sejam fáceis de digerir, o que se consegue ao cozinhá-los com pouca gordura e por meio de técnicas como cozido, cozido no vapor ou grelhado.

Lembramos que o controle das infecções respiratórias, que não só se consegue com uma boa alimentação, mas é necessário levar a cabo outras medidas, como descansar adequadamente e não exponerte a mudanças bruscas de temperatura.

Além disso, se o seu problema não melhora e, pelo contrário, apresenta temperatura muito elevada ou há suspeita de que a infecção progride, é necessário visitar o médico para realizar o diagnóstico e lhe prescreva o tratamento mais adequado.